Única e tímido nos

ÁLCOOL vs SEXO

2020.11.18 04:48 deusdanoite ÁLCOOL vs SEXO

Essa é uma dúvida para pessoas realmente experientes. Eu me considero bisexual, mas sou completamente inexperiente. As únicas vezes que transei foram com mulheres e quase todas eu estava sobre efeito de álcool e algumas vezes eu broxei. E minha dúvida é essa( serve pra qualquer pessoa, hetero, bi ou gay, desde que seja experiente) será que eu broxei por causa do álcool ou por eu não gosto de mulher. Olha, eu me considero um cara bem resolvido. Porém, por N motivos ainda não tive relações com outros homens, mas sei que sinto tesão nos dois gêneros. O meu problema é que sou meio tímido e só chego em mulher ( na maioria das vezes) bêbado. Já ouvi várias vezes falarem que não existe bisexual e que esses são gays que tem medo de sair "completamente do armário". Eu particularmente não sei se sou bi ou se sou gay. O que eu sei é que tenho tesão em homens e as mulheres q já namorei também foi bom.
Ps: me desculpem se o texto estiver confuso e com erros ortográficos.
submitted by deusdanoite to sexualidade [link] [comments]


2020.11.15 06:55 SocialThrownaway Eu sou uma pessoa solitária, amarga, fechada, mas ontem eu percebi de verdade o quanto faz falta ter amigos. Aviso, texto enorme.

Eu moro com meus pais e meus irmãos ainda, tenho 20 anos. Trabalho desde os 16, estou na faculdade desde os 18, estudei na mesma escola por mais de 14 anos consecutivos... E apesar de ter tantos ciclos sociais, não consegui cativar um amigo ou confidente de verdade em minha vida, apenas minha ex namorada (um ano mais velha e um pouquinho abusiva) que teve que se mudar para outra cidade.
Acho que eu me acostumei a ser fechado demais, eu me arrependo bastante de ter perdido anos de minha juventude vivendo de maneira tão amarga, tão só... Pois quando eu saio de casa para socializar, eu fico com um vigor tão baixo, como se fosse um fardo ter que me encaixar. Eu acho que me visto bem, me cuido a aparência, consigo conversar, eu consigo ser gentil com as pessoas, mas eu não me sinto bem em situações sociais, não sei se é pânico, ansiedade, fobia social... Mas sei que foi o que aconteceu ontem.
Minha irmã me chamou para sair a um barzinho ontem, na verdade, ela me usou. Minha irmã é mais nova e não trabalha, meu pai hesita em deixar ela sair da casa por tudo o que ela apronta, mas se eu pedisse para sair com ela, ele não viria problema. Nossa idade é bem próxima, nosso ciclo social é o mesmo pois estudamos na mesma escola também, e em uma cidade pequena com a vida noturna agitada, as pessoas acabam se conhecendo por conhecidos em comum. Eu não saio de casa, minha última festa havia sido o Ano Novo. Eu não gosto de conversar com as pessoas, as vezes eu tenho a sensação de que eu corto as conversas e falo muito pouco.
Enfim, não era bem um barzinho. Era só um local de delivery de cerveja em uma rua vazia onde as pessoas estavam se aglomerando na calçada e asfalto, comprando bebida e o fumo direto da cervejaria. Haviam cerca de 30 pessoas ali e eu reconhecia todas por nome, inclusive alguns conhecidos da faculdade que eu não via pessoalmente desde março, mas eu nunca fiz amizade com eles. Por sua vez, eles pareciam muito felizes em me ver e me fizeram mil perguntas sobre porque eu sumi, então eu acho que sou uma pessoa querida para alívio de meus anseios sobre alguém se importar comigo. Fora esse contato com esses colegas, não havia ninguém naquele ambiente que fosse meu amigo. E eu não queria simplesmente sair já que estava desconfortável e deixar minha irmã só é possivelmente bêbada na rua.
Minha irmã, por outro lado, conhecia e parecia ser amiga de todos, e ela me largava e deixava só para conversar ou cumprimentar fulano e sicrano. Ela me puxava para uma rodinha, mas me deixava só entre os lobos, e ao perceber que ela tinha se afastado eu saia daquele grupo. Consegui me encaixar em uma rodinha com minha irmã e duas pessoas, mas minha irmã logo saiu para falar com outra pessoa. Eles eram muito amigos de minha irmã, um menino e uma garota que era minha colega de sala na escola, e perceberam que eu estava muito deslocado. Esse rapaz, enfatizo, que tinha muitos amigos e era extremamente popular, ficou me fazendo companhia mesmo depois da outra garota sair para ir ao banheiro. Conversamos bastante, fiz meu melhor para retribuir a gentileza que estava fazendo comigo. Ali eu percebi que estava com uma pessoa extremamente bondosa, pois ao invés de conversar e se divertir com seus muitos amigos ali, decidiu me acompanhar na solitude até ir embora. Sim, infelizmente ele teve que ir embora cedo, pois iria trabalhar no sábado de manhã. Ele ainda perguntou se eu ficaria bem se ficasse sozinho... Assegurei que sim.
E fiquei novamente só, e como eu não queria ficar só no meio de tanta gente (o que as pessoas iam pensar de mim?), comprei uns cigarros, uma cachaça, e desci a rua um pouco para ficar sozinho longe da vista de todos na esquina. Maldita cachaça, me fez pensar muito. Por que todo mundo consegue se divertir e eu não? Por que eu não sou amigo de ninguém? O que minha irmã fez de certo que eu fiz de errado para ter tantos amigos? Por que minha ex foi minha única amiga de verdade em 14 anos de escola? Mesmo ela sendo um pouco tóxica e a relação bem desgastante, sinto falta dela. Há pelo menos três anos que eu não recebo um "como você está" ou "como foi seu dia" no WhatsApp. O EAD da faculdade é uma merda. Eu ainda tenho sorte de ter um emprego, mas meu chefe é um merda... E chorei. E afoguei as lágrimas numa garrafa de corote, e abafei meu soluço na fumaça quente do cigarro e me senti um lixo, pois se eu sumisse ali mesmo nem minha irmã faria questão de me procurar. Daí a amiga de minha irmã e ex colega de classe que estava naquela rodinha comigo me achou.
Outro anjo. Ela procurava alguém com isqueiro, me encontrou desolado. Eu não esperava que me encontrasse, mas acho que ela deve ter me visto descer a rua acendendo um cigarro e veio me procurar uns minutos depois. Ela me perguntou o que estava acontecendo e eu mesmo bêbado consegui mentir (mal) que estava muito triste com o trabalho, mas acho que ela percebeu que eu estava muito mal por estar... Sozinho. Ela não disse uma palavra e tentou me consolar. A gente se sentou no meio fio ali mesmo, e me fez um carinho, eu estava miserável. A bebida me fez receptivo a outra pessoa, sinceramente, se eu estivesse sóbrio eu não me abriria assim nem com minha mãe. Ficamos apenas abraçados, era tudo o que eu precisava.
Depois de um tempo eu não estava mais magoado, e depois de me recompor, ela perguntou se eu estava melhor, e se eu queria ir embora porque não estava confortável. Eu só disse que estava bem, mas eu não queria estragar a noite de minha irmã dizendo que eu chorei porque ela me deixou só, e que queria ir embora porque eu não tinha amigos ali. Não queria confrontar ela afinal minha irmã não tinha culpa de eu ser tão fechado, sem amigos, tímido... Etc. Não queria demonstrar fraqueza para depois ela ficar se sentindo culpada por ter me levado aquele role.
A minha colega me aconselhou para procurar minha irmã e dizer que queria embora "porque bebi demais", e se perguntasse onde eu estava, que dissesse que estava "ficando" com ela em um lugar discreto. Assim eu fiz, e em 10 minutos eu já estava em um Uber voltando para casa. Minha irmã nem questionou minhas desculpas, inclusive ela estava muito feliz com sua noite, afinal ela se divertiu e bebeu a beça. Não queria mesmo deixar ela triste comigo sobre o que realmente aconteceu naquela hora. Da viagem de volta até o banho e minha cama, eu fiquei refletindo muito no que deu de errado na minha vida social, e se duas pessoas tão bondosas me fizeram tão bem, eu nem imagino o que amigos de verdade fariam com minha saúde mental. Eu não posso ficar sozinho para sempre. Foi um choque de realidade, eu já penso em procurar um psicólogo, terapeuta, o que for para entender o que há de errado comigo. Ter amigos faz muita falta em minha vida.
submitted by SocialThrownaway to desabafos [link] [comments]


2020.11.10 02:07 gabileleu Vocês já desativaram suas redes sociais alguma vez?

Eu vou fazer 3 provas complicadíssimas no começo de janeiro. Enem, SIS e o vestibular tem me tirado o sono e eu pensei em desativar minhas redes sociais pra me focar... Mas aí que mora o problema: eu sou tímido pra caralho e às únicas interações que eu tive com outras pessoas foram pelas redes sociais, lá eu me sinto uma pessoa normal, converso, descubro coisas novas, me sinto acolhido lá... Sinto que eu sou verdadeiramente feliz lá, e eu acho que isso não tá certo.
submitted by gabileleu to desabafos [link] [comments]


2020.11.05 17:41 Kashiiirou Estou totalmente desanimado pra tudo

Eu não tenho forças pra fazer mais nada, por mim eu ficava o dia todo trancado no quarto e saia pra comer dia sim dia não, mas eu não posso,eu me sinto forçado a fazer tudo, faço porque tenho que fazer e é "minha obrigação" eu me sinto apenas um cadaver sem alma andando todo dia o mesmo caminho e frequentando os mesmos lugares, tenho que ir pra escola, aturar todos aqueles desgraçados todos os dias e pra piorar tem um "grupinho" que fica conversando a aula toda e umas meninas que ficam me enchendo o saco, e isso tá me matando porque fico estressado muito fácil mas acabo não falando nada.
Depois ainda tenho que ir para as aulas de esgrima 4x por semana logo que saio da escola, e não tenho forças pra continuar fazendo isso, eu não sinto nada além de tristeza, desanimo e um vazio enorme, chego lá e faço as aulas super cansado e desanimado mas não posso demonstrar isso
Nós sábados eu tenho encontro de escoteiros, onde temos que correr muito e isso me cansa pra caralho, eu saio de lá sem nem sentir meu corpo, é como se minha cabeça tivesse em outro mundo e nem percebo oque estou fazendo, só "volto a consciência" quando chego em casa.
Sou muito antissocial e tímido, eu já passei mal na hora de apresentar um trabalho pra sala (só pra pessoas da minha sala) e tenho uma seria dificuldade em falar com desconhecidos eu fico tremendo e me sentindo meio mal, só fico mais tranquilo quando minha namorada ou um amigo próximo está comigo
Eu tbm tenho uma enorme insegurança sobre minha vida e aparência, eu sou burro pra porra e não entendo as matérias, eu tento estudar e não consigo, não consigo me concentrar nas aulas ou em estudar em casa 5 minutos parecem horas estudando e do jeito que tá eu nos vou a lugar nem um, eu pensava em largar o esgrima e aprender a tocar algum instrumento (bateria ou guitarra) pra tentar ganhar dinheiro com música, mas descobri que até pra isso preciso estudar outras matérias, sou feio de corpo inteiro, a única coisa que salva minimamente é meu cabelo que se eu colocar na frente do rosto eu fico menos feio até sem máscara, mas odeio meu braço porque tenho umas bolinhas parecidas com espinhas e alguns dão até pra espremer (eu acho meio nojento) e isso tem nos meus dois braços, começou a aparecer nas minhas duas pernas (só na coca ae agora) e já apareceram 2 na cabeça do meu pau, mas essas eram menores e não pareciam espinhas só umas pequenas bolhas bem pequenas msm (desculpa fazer vocês lerem isso), aparecendo até na pele do pau, e isso fode pra caralho minha autoestima
Estou cheio de problemas que não consigo resolver, eu não consigo pensar por conta própria, eu preciso de alguém pra pensar por mim e me mandar fazer as coisas não sirvo pra liderar ou coisa assim, que nem no meu namoro que quem decide quase tudo é ela e eu só obedeço
Eu penso muito em me matar futuramente, eu vou seguir minha vida até ver que realmente não tem como ou até eu perder tudo mais uma vez, eu no começo desse ano deixei tudo planejado para me suicidar hoje ( 5/11 ) que é meu aniversário, mas muitas coisas aconteceram, comecei a usar mais o Twitter e fiz amigos incríveis lá, conheci minha namorada por lá tbm e isso me fez desistir de me matar, ela (minha namorada) estava aqui em casa desde ontem a noite, dormiu cmg e foi embora a uns 30/40 minutos e vai voltar pra cá para comemorar as 19:00
Me sinto morto, sinto que sou um cadaver que so tenta fazer oque mandam, as únicas coisas que me fazem me sentir vivo e ficar com minha namorada,ver filmes de terror (quando tô com muito medo eu sinto que eu tô aqui, que eu estou no meu corpo), ouvir música e ficar no PC, fora isso não sinto tesão em fazer nada, eu não sinto nada além de um grande vazio quando estou fazendo outras coisas
Não consigo desabafar com ninguém, minha voz não sai, não consigo falar, não me sinto confortável com psicólogos ou falando com alguém, eu ainda tenho muitas coisas guardadas só pra mim mas não quero falar aqui pra não ficar muito grande (mais do que já está)
E o foda é que é como dizem "você nem viveu ainda" pois hoje ainda é meu aniversário de 14 anos kk
Me desculpe por fazer você ler tanta coisa
submitted by Kashiiirou to desabafos [link] [comments]


2020.11.02 23:42 Sumate_ O meu maior problema sou eu

Ao longo destes 17 anos eu nunca tive nenhuma amizade e quase nunca sai de casa senão para ir a escola. Sempre sendo o garoto tímido e desinteressante que ninguém nunca nem ao menos quis ser amigo.
Nos últimos meses eu nunca estou feliz ou se estou, não é algo duradouro nem verdadeiro, então não considero felicidade. Mas eu não me sinto triste, na realidade sinto que não sinto nada, só deixo a vida passar pelos meus olhos como se eu fosse só um espectador.
Eu me pergunto o que eu já fiz de legal na vida, mas a verdade é que eu nunca fiz nada, sempre estou em casa e não conheço ninguém.
Muitos podem dizer para eu sair de casa, para conhecer pessoas, fazer algo de novo. Mas eu já tentei, sorria e tentava conversar com os outros, entretanto eu estava mentindo para mim mesmo; sei que eu não sou assim, então para que fingir.
Têm algumas vezes que eu penso em me matar, sei que não vou fazer falta e sei que é o melhor para mim. Mas não sei se penso seriamente nisso.
Eu não gosto de nada, não tenho interesses e nem ambições. Vivo só por viver mesmo, pois não existe vantagens para alguém como eu estar vivo e sei que eu nunca serei feliz.
Não converso com ninguém senão meus pais e irmã desde o começo da pandemia. E não é porque nós respeitamos a quarentena, na realidade nenhum de nós nunca se importou para valer. Eu só continuei vivendo como eu sempre vivi, a única diferença é que agora eu não tenho que sair de casa para ir a escola.
Com isso eu percebo o quão sozinho eu sempre estive, mesmo todos dizendo no grupo da escola que se deve ajudar uns aos outros, ninguém nunca pergunto como eu me sentia ou como eu estava. Mas não se enganem, eu não me importo com isso; eu nunca esperei nada deles, sei que não tenho importância, portanto posso ser facilmente descartado ou esquecido e continuarei sem me importar, pois sei que sou isso.
submitted by Sumate_ to desabafos [link] [comments]


2020.10.29 06:08 AlvagorH Amizade tóxica?

Já aviso que o texto pode ser longo.
Então, eu tenho uma amiga virtual, tem uns 3 anos. A gente se dá bem, mas a nossa amizade é baseada em puramente trocar ofensas "amigáveis" (ou não). Exemplo, ao invés de mandar "bom dia" um pro outro, a gente manda "acorda vagabundo(a)".
Até aí tudo bem, costumava ser uma amizade diferentona, com bastante zoeira mas também com espaço para falar de coisas mais sérias, quando precisávamos.
Recente, essa amiga me chamou pra jogar Among Us com umas amigas dela, via Discord. Eu sou muito tímido, então fiquei quieto na call durante muito tempo, falando apenas quando necessário por conta do jogo (elas estavam super a vontade, jogando e conversando amenidades). Eu, inclusive, fiquei conhecido como "mudinho".
Porém, nesse grupo de meninas, tem uma menina que também zoava muito essa minha amiga. No decorrer do jogo, várias pessoas saíram e eu acabei me sentindo mais a vontade para falar (ficaram 4 pessoas conversando, sendo eu, a minha amiga, a menina zoeira e uma outra que não vem ao caso).
A partir de agora, minha amiga vai ser A e a pessoa zoeira B.
B é uma pessoa bem legal, extrovertida e fácil de conversar, então eu me senti confortável pra falar na presença dela, e a gente ficou zoando a A. Depois, eu e B conversamos um pouco no privado, pois gostamos do mesmo estilo de jogo.
A ficou muito brava com isso. Disse que era um absurdo eu falar na call, sendo que ela demorou 3 anos pra ouvir a minha voz (sim, minha timidez é tanta que nem áudio no Whatsapp eu costumo mandar). Disse que eu sou amigo "DELA" e que não era pra falar com a B. Disse que eu ia abandonar ela para falar com a B. E, além disso, disse que eu não tenho a "permissão" dela pra falar ou jogar com a B.
Eu achei tudo isso o cúmulo do absurdo, um grande exagero. Nisso, eu cometi um "erro": como a minha amizade com a A é baseada na zoeira, eu fiz todas as piadas que eu podia com essa situação.
Ontem, as meninas perguntaram no servidor do Discord quem queria jogar e eu estava entediado e entrei. Não estavam presentes nenhuma das duas (A estava dormindo e B eu não sei).
Jogamos bastante, B entrou e, logo em seguida, A. A disse "O que fulano (Eu) está fazendo aqui sem a minha permissão"
Eu fiquei quieto e B respondeu "Eu resgatei ele do seu porão e chamei pra jogar"
Elas trocaram mais algumas farpas e o jogo seguiu.
No fim de uma única partida, A me chama no Whatsapp e diz outra vez sobre isso da permissão, diz que eu e B estamos nos unindo contra ela e que "Se B é tão legal assim, fala só com ela".
Isso aconteceu há poucas horas, e eu não sei o que fazer. Estou pensando seriamente em dizer algo do tipo "Tudo bem, em respeito a sua amizade, eu paro de falar com a B. Porém, como você está com uma atitude muito ruim, eu vou parar de falar com você também. Por fim, eu saio do grupo e todos podemos fingir que nada disso aconteceu.".
Eu não quero mesmo ter que fazer isso, mas sempre que eu tentei levar na boa e conversar, não deu certo.
submitted by AlvagorH to desabafos [link] [comments]


2020.10.23 23:48 douglera Solidão

Eu me considero uma pessoa feliz, mas desde criança sempre me senti muito sozinho. Desde o início da pandemia isso piorou muito.
Tudo que eu faço na vida é estudar e namorar (à distância). Em geral eu me sinto bem satisfeito com a minha vida, meus estudos me dão realmente muito prazer, e eu amo muito minha namorada. Tenho alguns poucos amigos e há um ano meu melhor amigo se mudou pra muito longe, e até hoje não superei.
Não sou super extrovertido, mas não me considero tímido, e me dou bem com as pessoas no dia a dia. Por outro lado, eu tenho muita fobia social na internet, tanto que o reddit é minha única rede social e aqui é meu lugar seguro: sigo meus interesses aqui bem autenticamente, não sigo ninguem que eu conheça e ninguem me segue.
Foi aí que piorou muito na quarentena. Me isolei muito e não consegui responder ninguem no whatsapp, telegram, por bastante tempo (só minha namorada, claro). Com muito custo, um dia eu me animei a responder todas as pessoas (cerca de 20 chats) e foi uma experiência catártica.
Estava tudo bem até que recentemente eu comecei a desenvolver uma espécie de paranoia: alguns amigos com quem eu tentei conversar recentemente não me respondem (sim, eu percebo a ironia/hipocrisia), e logo penso que tem algo de errado comigo, se estão chateados comigo, se estou sendo insistente. Aconteceu umas 4 ou 5 vezes.
Em especial, uma grande amiga (poderia até chamar de melhor amiga até pouco tempo atrás) não fala mais comigo, não me chama mais pra conversar, apesar das minhas tentativas de puxar assunto, e eu não consigo entender o porquê. E isso tá me magoando muito.
Enfim, fico pensando se eu sou um babaca ou só chato ou coisa do tipo. Ou se há um complô contra mim ou qualquer coisa irracional assim. As vezes essa solidão aperta muito. Se não fosse a minha namorada eu estaria muito mal.
Obrigado por ler
submitted by douglera to desabafos [link] [comments]


2020.10.20 08:02 BlueElodin Não sei mais flertar!!!

Tenho 20 anos e cheguei num ponto onde não sei mais flertar ( ou talvez nunca soube).
Perdi BV aos 9 anos. Meu primeiro beijo de língua foi aos 13 (com minha primeira/única/ex namorada) e perdi minha virgindade aos 18.
Tipo, acho que vivi tudo no tempo certo (certo para a minha pessoa).
Me considero um cara bem tímido, apesar de que quando estou em uma rodinha no bar ou festa consigo me virar e ter boas conversas (dependendo muitas vezes das pessoas na roda).
Tive minhas fases boas, porém a maioria das vezes que fiquei com meninas que me interessasse ou foi porque elas tomaram a atitude comigo ou foi porque eu tinha plena certeza que teria chance com elas, e isso aconteceu pouquíssimas vezes em ambos os casos. Há também as situações onde eu fico com meninas que não me interessam, mas devido o tempo sem ficar com ninguém acabo aceitando (carência, eu sei kkkkk).
Muitos falam que me subestimo demais em diversos pontos e meio que concordo em partes. Enquanto me considero um cara 6,5/10 há quem diga que sou um 8/10, às vezes 9/10.
Como mencionei antes, perdi a virgindade com 18, porém tive oportunidades nos meus 15 e não fiz nada por falta de confiança e também por eu ter sido muito ligado a religião naquela época (papo de eu escolhi esperar e tals).
Tentei Tinder ultimamente e percebi que a maioria das pessoas usam isso por puro ego, nunca consegui manter uma conversa por muito tempo. Não tenho nenhuma amiga com quem me sinto confortável a conversar sobre pra poder me auxiliar e sinto que falar isso com um amigo homem não vai resolver muito devido a possibilidade de zoação (podemos considerar isso um pouco como masculinidade tóxica??).
Enfim, me sinto inseguro, com baixa autoestima, muitas vezes um ser desinteressante, e apesar de ter diversos assuntos legais pra trocar ideia não consigo conduzir isso a um flerte. Sempre ganho mais uma conhecida no meu insta e fico como "aquele sujeito legal que conheci em tal lugar e nunca mais nos falamos". A pandemia dificultou ainda mais isso e não sei mais o que fazer.
Obs: primeira vez escrevendo aqui no Reddit galerinha, sou novo na rede kkkkkkkk mals ter deixado a situação um pouco confusa. Estou acostumado em escrever no meu journal, onde eu sou o único que entende minhas colocações no texto akakak. É isso, peace out.
submitted by BlueElodin to desabafos [link] [comments]


2020.10.17 16:58 DylanCFJ777 una historia de amor real,vastante larga que no entenderás ni comprenderas

todo comenzó en el año 2017 en agosto. yo estaba deprimido,por mi relación que terminó en una roptua dolorosa. así que todos los días no me importaba nada y ni ponía atención a mi rededor,pero una día cuando fui a ayudar a mi madrasta pasó algo muy raro. (ella trabaja de barredora o conserje en un colegio privado) yo fui directo al colegio privado y entre todo de malas,con mis audífonos full volumen dirigiendo me a la cancha ese día los de cuarto de secundaria estaba ensayando. y mi hermano menor estaba Ai ayudándoles en sus ensayos (mi hermano no es de ese colegio) al verlo me le sonreí por qué no quería que me viera triste. al hacerlo levanté las ceja hacia arriba y abajo mientras sonreía . después que me viera me fui . al día siguiente mi hermano menor me dijo que una chica me vio y sonrió . dijo que me estaba viendo a cada rato. yo todo deprimido le dijo no,no creo . al pasar algunos días después de lo sucedido, mi madrasta me dijo : hay una chica preguntando por ti y no deja de verte cada vez que vienes a ayudarme. al escuchar eso me sorprendió y bueno no lo tome tan enserio por qué cuando me mostró quién era,yo me quedé diciendo no creo no vez que ella es muy linda y popular no creo que se fijó en mi. después de eso me fui pero la chica que gustaba de mi me vio y al pasar por su lado se dió la vuelta para verme a un más. yo no le tome importancia. al otro día fui como siempre a colegio privado para ayudar, fui después que terminó mis clases,estaba iendo todo normal,con mis audífonos escuchando música a full volumen y en ese día mi ropa estaba un desastre pero no tanto. al llegar ya a la entrada ella a pareció,la chica que supuestamente gustaba de mi. ella y yo pasamos por el mismo camino y de pronto paso esto. ella bajo su mirada hacia abajo de mis zapatos y luego subió a poco asta llegar a mi rostro. yo hice lo mismo y nos dimos cuenta que los dos nos estábamos viendo. luego de eso examinación al llegar hombro con hombro ella volteó para verme a un más mi rostro y yo la correspondi,nos volvemos al mismo tiempo y nos vimos frente a frente eso fue un momento muy raro, al llegar ya por dónde la entrada mire hacía atrás y ella igual,al parecer ella y yo estábamos conectados de alguna forma... al verla note que estaba iendo se a su casa pero lo que no imaginé es que su casa estaba muy cerca del colegio,estaba al frente del Cole . bueno después de eso me fui a hacer mis cosas. al pasar varios días me enteré que ella estaba preguntando sobre mi a uno de mis compañeros de clase así que le pregunté cómo era su personalidad de ella. al parecer era un poco callejera,tenía mala fama de los chicos,al escuchar eso me desanime a conocerla y seguí mi camino trate de no poner atención hacia ella pero cada día que iba ella siempre me miraba,no era normal esas miradas por qué a cada rato osea cada vez que pasaba por su lado o me veía subir o estar en algún cuarto ella no dejaba de verme ni por un segundo,era como una acosadora con su mirada y la sonrisa que ponía,coqueteaba al parecer! así que todos los días fueron incómodos para mí . al pasar los días ella y yo nos mirábamos más y más pero un día ella vino a comprar un dulce i un pilfruts de color naranza y yo la atendí al verla. yo tuve que atenderla,pero había un problemita yo no sabía los precios así que le pregunté a cuánto te vende mi madrasta. y ella con amabilidad me dijo. ella- que Aún no sabes los precios yo- no aún no lo sé. despues de que le respondí ella me dijo los precios y me pagó pero al haserlo note que ella temblaba y que su voz estába un poco diferente de lo costumbre así que le di su cambio y al hacerlo nuestras manos se tocaron y pude notar que ella estaba sudando de sus manos,era por qué estaba nerviosa y la verdad si se notaba los nervios. Ai me di cuenta que talvez le gustaba. al pasar los días,hubo un día en que yo estaba más deprimido y no quería hablar con nadie así que me fue al puesto de compras a "atender" casi no había nada para vender. pero al hacerlo, esa chica que me veía cada día vino a comprar al venir se quedó por unos 15 segundos viéndome de frente a frente con sus ojos hacia mis ojos,de pronto mi madrasta apareció y le charlo ellas dos hablaron y eso fue todo. al irse mi madrasta me dijo por qué no la hablaste no vez que ella quería hablarte. le respondí. Tal vez a la próxima será. al pasar los días ella más y más me miraba y me sonreía pero yo no le tomaba atención y al parecer me saco una foto un día y había aveses que me quería hablar,pero yo no la tomaba importancia por qué era demasiado linda para creer que ella gustaba de mi pero ni modo, me asia la vista corta y con los audífonos a full volumen puesto era fácil de ignorarla. pero ella no se daba por vencida. al pasar los días ella perdió el interés por qué mis compañeros le hablaron mal De mi cuando ellas les pregunto de cómo era yo en persona,en los últimos días. yo no te que ella ya no estaba interesado en mi yo todo feliz pero no tanto me fui a hacer mis cosas pero un día mientras que ella se quedaba ablando con el profe. mi madrasta grito mi nombre fuerte ¡DYLANN¡ yo bajé de inmediato y le respondí ¿que? al decir eso note que la chica que me miraba volteó su mirada hacia mi y puso una cara de tristeza y confusión y alegría . al parecer ella pensó que aquel chico que mis compañeros le dijieron que era yo y si era yo.pero ella pensó que no era yo por el nombre. yo tengo dos nombres así que después de eso ella al otro día me seguío viendo de nuevo. creo que todo volvió a la normalidad dije entonces.
ya pasaron más días y casi era fines de mes para que acabará el año así que un día fui a limpiar el Cole privado. y la Vi a ella al parecer estaba con un chico,al verme ella a mi,me miró sorprendida y fusto en ese momento cambio su ruta por dónde iba al parecer no quería que la viera con alguien. así que me dije a mi mismo allí. - crei que podía hablarte en estos días pero ya veo que tienes alguien más. al pasar los días y días no la hablé pero me interese por ella. su nombre era Kimberly era una chica vastante popular y amable y parlanchín y no tenía miedo de expresar lo que ella sentía. su forma de vestir era vastante curiosa por qué al parecer su mochila, ella lo decoraba con juguetitos de niños y además de eso aveses su mochila estaba sucia y al parecer no le importaba en lo absoluto,además en los días de carnavales dónde a las chicas se les moja con agua,al parecer ella tenía otra mochila plástica transparente que al ver el contenido por qué si se veía lo que había dentro eran puro juguetes(quiero aclarar que ella y yo teníamos la edad de 16 años) además de eso su forma de combinar le hacía sobresalir de todas las demás chicas. yo no era igual que ella, yo era tímido y de muy baja autoestima,no tenía buena vestimenta pero si me cuidaba de que mi ropa y mochila no estén sucias y no expresaba lo que en verdad sentía . éramos casi como polos diferentes pero a la vez iguales. lo que me atrajo de ella fue su forma de expresar lo que quería y en lo que creía.no le importaba que la gente le viera como una niña o una chica desordenada. Ami me fascinaba su personalidad.pero nunca me atrevía a hablarla. Al pasar ya un año y uno nuevo ya comenzó. era el año 2018 y me propuse a hablarle. Pero al pasar los días, fui al Cole privado a ayudar Ami madrasta como siempre. pero la única diferensia era que ya no le veía mucho. pero un día la Vi y fui a dónde estaba ella,pero ya era demasiado tarde mi reacción, ella al parecer tenía ya un novio era el mismo que aquel día trato de ocultar y de que yo no viera. pero ni modo al verla me puse mal lo único que pude hacer era ir caminando hacia la cancha al ir me tope Por su lado pero no la miré.desde ese día la trate de evitar aunque ella me miraba deves en cuando y yo hacía lo mismo pero todo era diferente. al pasar días me di cuenta que ella no le besaba a mi lado o cuando yo estaba presente. al notar eso su chico al parecer el ya sabía que su novia gustaba de mi y empezó a odiarme,me miraba con bronca y con cierto aspecto que decía¡¿ que le vio a este? o que tiene el que yo no tenga. al parecer eso fue todo algunas veces ellos discutían y al parecer ella era la que dominaba la relación por qué su carácter era vastante fuerte, bueno al verlos y ella al verme su novio al ver que ella me mira más a mi que ,a él me miró con su cara de bronca. pero ni modo dije. al pasar los días ella un día vino a comprar ya no con interés pero solo me dijo. ella - hey llevaré estos dos un pilfruts (de color naranja) y un dulce el precio es de 1bs y 50sc al parecer aun se recordaba que no savia los precios. pero bueno me dolió un poco su desinterés por qué a pesar de su novio ella seguía mirándome pero en ese momento de la compra y de lo que me dijo, lo único que le pude decir fue. yo - a qui está tu cambio grasias. ella -... no dijo nada y se fue con su novio al ver eso solo me quedé viendo el pilfruts de color naranja,al parecer esto le gusta mucho a ella dije en mi mente. al pasar varios días ella ya no me veía como un gusto ahora solo era como un objeto de sacar celos a su novio . al darme cuenta me valió y un día la miré por última vez y después de eso ya no la volví a aver ella aún así me miraba pero yo ya no le correspondía la mirada desde ese día. al pasar ya el año sin ninguna novedad. empezó el 2019 un año sin duda vastante amoroso por así decirlo. al parecer este año ella había terminado con su novia y otra vez me estaba viendo,pero esta vez lo hacía con interés. pero Ami ya no me importaba,pero al parecer a ella si le importaba yo... no sé pero al primer día de clases yo me rrape el cabello y solo tenía poco cabello. al ir al Cole privado para ayudar ella lo noto y sus compañeros igual,sus compañeros se burlaron de mi,pero me dió igual,al día siguiente ella se hizo unas trenzas de color verde en cu cabello, la verdad no sé por qué lo iso pero al verla pensé que lo hiso por mi . pero eso nunca lo sabré...
al pasar unos meses un día llegue temprano al colegio privado para ayudar a mi madrasta. ese día conocí a una chica llamada Olivia esta chica era muy linda bastante diría yo. su personalidad era única a pesar de que las lindas son groseras,pero ella no era así,era amigable,tierna, cariñosa y un poco infantil a pesar de eso lo que destacaba era su físico. tenía una piel blanca y un rostro muy hermoso,su cabello era de un tamaño corto y bien cuidado de color castaño y su cuerpo era perfecto,tenía unos senos grandes pero nobtanto.pero a pesar de todo eso,su personalidad destacaba mucho pero sus gustos por los chicos no. al ir por algunas cosas que nesesitava su jefa de mi madrastra,la conocía a la Olivia ella estaba en el segundo piso,había echo caer una cuchara ,al verme pasar por Ai me dijo: amigo me pasas la cuchara por fa. yo todo apresurado le dijo :lo siento tengo que irme.. al irme, ella bajo a recogerla por su cuenta y fue a donde yo estaba, al salir después de recojer el mandado me fui y al parecer ella paso por donde yo estaba y me dijo con una expresión de enojo pero no tanto:que malo eres amigo. yo con una voz pequeña dije perdón...
pero no me escucho. al día siguiente yo estaba enojado por algunos asuntos personales pero aún así fui de todos formal al Cole privado. al ir ella paso por mi lado con su amigo y no se creo que estaban jugando así que su amigo le dijo que me dijera hola y lo hizo . al pasar ella todo tierna y alegre me dijo: Hola hola hola hola con 6 veces seguidas. Ai me llamo mucho la atención por qué la pude ver muy bien su carita era tan hermosa y su cuerpo era muy atractiva. al pasar los días la veía aún más y más . pero un día la vi triste y no feliz así que me llamo la atención así que quise hablarle pero al subier las escaleras al segundo piso la Vi con un chico que le agarraba a la fuerza y ella estaba a su lado llorando diciéndole a el. Olivia - no me dejes por favor yo aún te amoo. al escuchar esto solo me fui a barrer los cursos del Cole privado.
al día siguiente la Vi como un ton tonto por unos minutos,ella estaba en la cancha jugando fútbol y al parecer estaba con una ropa ajustado y bueno la Vi . al verla creo que ella noto que la estaba viendola así que me puse a disimular pasando de vez en cuando por la cancha pero uno de esos momentos no aparte la vista de su hermoso rostro así que me miró y se dió cuenta que yo la estaba viendo ,después de eso ella fue a hablar con Migo cuando yo estaba atendiendo y dijo Olivia -hola como te llamas. yo -Dylan su amigo de la Olivia se acercó y le nos dijo su chico igual se llama Dylan y de pronto ella se puso incomoda y se fue despidiéndose pero no antes presentándome al otro de sus amigo al presentarme apresuradamente a otro de sus amigo su otro amigo dijo; a ya y se fue . esa fue la cituAcion más rara de aquel día,bueno después de eso, ella se fue. al pasar los dias. yo un día llegue tarde al Cole privado a ayudar a mi madrasta y ella igual se quedó tarde así que yo subí al tercer piso,al subir y entrar al curso, me puse a barrer, unos minutos después apareció ella y me dijo. Olivia -Dylan tu mamá dice que te apresures. yo solo asentí la cabeza hacia arriba y abajo. al verla a la Olivia note que su postura fue rara sus piernas estaban abiertas y sus manos estaban en sus caderas era como si me ordenará que haga eso de inmediato.... buena pero su expresión fue un poco extraña, igual ella subió y me dijo todo eso animada. pero luego su expresión cambio al verme y se fue vastante rápido de Ai bajo las escaleras. al verla no lo tome atención pero después que ella estaba bajando fui rápidamente y le pregunté cómo te llamas y ella me respondió con su cara confundida y molesta me llamo Olivia y se fue. Pasaron meses y en los días en que ella y yo nos veiamos solo nos saludábamos y nada más. yo algunos días la ignoraba por qué me ponía los audífonos a full volumen y apesar de eso ella me saludaba,yo no le respondía aveses,era por qué su novio estaba Ai y quería que yo le hable pero yo no quería esa clase de amigo que solo joden y además estaba celoso de que ella me saludé. así que me aleje de ella. pero una ocasion cuando la miré como tonto en la cancha a la Olivia jugando fútbol. la chica que me miraba mucho me vio y al día siguiente se maquillo exageradamente... Al parecer quería llamar mi atención pero ella al verla parecía el Joker me sorprendió haci que solo la Vi por 3 segundos todo sorprendido luego me fui. al pasar meses me di dando cuenta poco a poco que la olivia solo me saluda cuando mi madrasta estaba a nuestro lado o a la vista. solo lo hacía por educación pero cuando nos encontrábamos solos ella no me saludaba. a pesar de eso me alejé y ella igual,era lo que que quería desde el principio pero,me enteré que su chico se fue y ella estaba triste por el. además de eso en sus estudios estaba mal y sus padres eran muy estrictos y protectores.a fines de agosto se fue i ya no la volví a ver... ahora que lo pienso esa ves que subió al tercer piso a decirme que me apresure. no era para mí su expresión decía que se había confundido de persona.....
bueno al pasar ya un mes. conocí a una chica llamada Keisy, estaba atendiendo y la Keisy se acercó,le pregunto a mi madrastra si era su hijo y ella respondió no es de voz y ella riendose le dijo: acaso jajaja. al parecer lo tomo con gracia yo aquí todo solitario con mis audífonos full volumen puestos como siempre a mis oídos . me los quité y le dije. Yo - que chistositas yo - mm Keisy - ahora me llamaras mami o mamita jajaj. yo - mmmm no, eso es raro y no lo hare madrasta - es tu nueva mamá vamos dile mami jajaja yo todo nervioso - talvez pero no lo creo Keisy- dime mamita o mamá que si no me dises no te abre caso en nada. Yo- "está bien" y después de eso nos presentamos y hablamos hacerca de que si me cae bien alguien de este colegio y le dije yo - no nadie me cae bien por qué yo no les caigo bien a nadie . Keisy - pero tú a mí sí me caes bien y podemos ser más que amigos si tú quieres. al decir esto se puso nervioso y se fue . la Keisy era una chica bonita y grasiosa, era muy sociable y además de eso era muy inteligente. su aspecto era una combinación de una chica popular y nerd solo por sus lentes. era bonita de rostro,su nariz era pequeño, su cabello era largo y lacio.ella estaba un poco gordita pero no se notaba para nada,lo que destacaba un poco de ella era su belleza natural y sus caderas tenía un buen trasero pero no se notaba a la vista solo se notaba cuando ella venía con ropa ajustada. apesar de eso esa fue la única vez que hablé con ella.... al pasar los días yo estaba biniendo al Cole privado a ayudar con mi uniforme destrozado era como si tuviera una vestimenta de chico rebelde además mi cabello estaba despeinado. al entrar al Cole ella me vio y se quedó asombrada y me miró por 10segundo yo la Vi pero no le tome importancia y me fui. desde ese momento ella me empezó a hablar parecía que le gustaba los chicos rebeldes o desordenados. así que no pasó nada,solo pequeños incomodidades con sus amigas que me veían mal y con que ella quería más que solo una amistad,al saludarnos ella me decía hola hijo y yo la respondía hola mami o hola mamá. si ya lo sé suena raro pero era así. un día le hable por qué,quería hacer algo diferente y resultó que ese día ella se comportó un poco groserachistosa con Migo fue extraño pero ni modo. pero no sucedió nada más aunque ella quería algo con Migo a tal puesto de querer ser mi amiga en el facebook . pero el año había terminado... A veces me decía que hubiera pasado si hubiera Sido su amigo en Facebook pero para que si ellas tienen esa belleza que atraen a otros chicos mejores que yo. así que realmente me aleje para estar solo aún que la Kimberly ( la chica que me mira seguido por dos años). aveses pienso que solo talvez ella era mi alma gemela.
al final decidí alejarme de todas las chicas y empezar a llegar tarde al Cole privado para ya no verlas más.
ahora en el presente no sé nada de esas chicas a un que puedo contactarlas por facebook es facil de encontrarlas pero no, es mejor así. y por cierto que te pareció la historia es completamente real aunque falta un poco de detalles más y dime qué hubieras echo en mi lugar o que consejos me darías.
submitted by DylanCFJ777 to cuentaleareddit [link] [comments]


2020.10.16 15:36 Cookerbook_01 Tenho medo do que vou virar

Cheguei a conclusão que eu, literalmente, não sei fazer nada e nem dou conta de começar a aprender alguma coisa. Meu curso na faculdade tem muita gente protagonista, que sonha alto e quer sei lá fazer grandes coisas e esse curso em algum momento passado pareceu interessante, quando eu tava no Ensino Médio, mas a gente nunca sabe a realidade da coisa de fato. Só que assim, eu me sinto incompatível com o ambiente, não sou nem um pouco hábil com "Networking", ou essas coisas de jovens líderes e etc, pq eu não sou um bom comunicador, me sinto extremamente ansioso pra começar a puxar assunto casualmente com pessoas, quem dirá profissionalmente e formar o meu currículo e etc. O problema é que essa era a minha última e única opção, assim de VIDA. Eu não tenho ideia do que irei fazer, penso em tentar começar a estudar programação, só que no fim das contas eu sei que eu só estou desesperadamente tentando encontrar alguma coisa pra fazer e não tenho nenhum outro objetivo e motivação para começar a fazer. Minha vida até agora foi basicamente o Colégio e toda essa experiência só serviu pra uma única coisa que era o ENEM e depois que passou acabou tudo. Não tenho mais nada em mim que valha algo, experiência em qualquer coisa, literalmente, QUALQUER COISA, nunca nem tive um relacionamento, sou tímido, não tenho sonhado com nada, nem falo com meus amigos sobre isso pq não me sinto confortável de falar isso com eles, nem com meus pais, nem com ninguém. Isso particularmente é uma BOSTA, pq talvez eu viva sei lá mais uns 70 anos pela frente e eu não faço ideia do que fazer com nada da minha vida. Eu sei que se eu começasse a treinar uma habilidade hoje, por exemplo, e continuasse treinando por um bom tempo, eu teria experiência nisso, só que eu simplesmente não vejo razão ou motivação pra começar qualquer coisa e não dou conta de ficar agindo só por agir. Acho que talvez eu precise mesmo ir ao médico ver o que tá acontecendo, só tô esperando eu fazer 18 anos pq quero ir escondido. Escondido pq eu estou aparentemente bem e feliz, ninguém sabe como eu tô de verdade e eu não quero simplesmente falar pra todo mundo de uma hora pra outra: puts não tô bem, ESTOU UMA BOSTA. É isso, nem sei se eu quero qualquer conselho nem nada pq no fundo todos já sabemos o que deveríamos fazer. Enfim, tchau.
submitted by Cookerbook_01 to desabafos [link] [comments]


2020.10.16 00:59 eeeeemesi Cómo se chamuya en 2020?

Bueno gente el tema es así, tengo 21 y estuve de novio 4 años, hace un par de meses nos separamos y después de tanto tiempo no tengo idea como acércame a otra persona. Me interesa bastante una chica, que no nos conocemos pero si nos ubicamos mutuamente, es de donde vivo, terminamos el colegio el mismo año, nos cruzamos en boliches, bares etc pero nunca nada, ni hola. El tema es que la única manera de hablarle es por Instagram porque si no ni idea. También soy bastante tímido y si la invito a tomar algo de la nada me siento un re violín o también hablarle de la nada y quedar como un boludo.
Entonces la pregunta es cómo se chamuya en estas épocas de Instagram?
submitted by eeeeemesi to argentina [link] [comments]


2020.10.15 03:23 ipackedkdb Concurso, nova graduação ou continuar na iniciativa privada?

Gente, me formei numa facu top em adm, mas tomei uns rumos meio tortos na facu, e estou sem tanta experiência de estágio, meu currículo na verdade está bem ruim. Ai antes da quarentena, consegui entrar em uma empresa de investimentos, mas a empresa é tão ruim, a cultura é tão tóxica, que não dá nem vontade de colocar ela no currículo. Não tem nem avaliação nos sites e o turn-over de funcionários é bem alto.
Ai estou com dúvidas sobre come proceder. Devo fazer uma nova graduação? Devo focar em concursos públicos? Acho que a única coisa que faz sentido, de verdade seria prestar concursos, já que financeiramente estou bem e me considero um rapaz inteligente, e já tenho quase 25 anos. Porém, não sei se ainda está valendo a pena, com a reforma administrativa ai na porta, aumento da concorrência, e diminuição de salários. Também por características físicas e psíquicas minha como ser baixo, mais tímido, não tão bonito, me dizem que concurso vai ser onde eu mais poderia me destacar.
O que vocês recomendariam? Dou upvote para quem ajudar, além de um amigo no reddit kaakkaak
submitted by ipackedkdb to brasilivre [link] [comments]


2020.10.05 05:43 ArgenCoso Tilingos


Por Arturo Jauretche
CONFIRMADO me propuso este tema. Pensé entonces que era la oportunidad para ofrecer una respuesta, entre las muchas que pueden articularse, a un interrogante que plantea José Luis de Imaz en Los que mandan; "¿Por qué, no obstante su peso económico, su rol en la modernización, y haber sido innovadores tecnológicos, los empresarios no pesan en la vida del país?".
O pesan al revés. Este es el caso de ciertos tipos de grupos económicos capitalistas, adscriptos a la política de la Sociedad Rural, ya consolidados dentro del viejo sistema agro-importador, que prefieren un mercado interno pobre en condiciones de monopolio a un mercado en crecimiento en condiciones de competencia, como los que apoyaron la política de contención del progreso en las Juntas Reguladoras de la Década Infame. Sólo que éstos sí saben lo que quieren.
Pero no voy a hablar de economía, sino del tema propuesto; de la forma en que la tilinguería impone sus pautas, y cómo ellas están perturbando el desarrollo de la inteligencia nacional y sus impulsos creadores.
Y ésta es cosa de que debe tomar cuenta también el político militante, si es que no sabe que el comité ha muerto definitivamente. Porque los estados de opinión, entre los cuales tiene importancia fundamental el slogan que surge de la cuestión de los status, pesan mucho más que una recluta que sólo vale para las elecciones internas.
En el Espasa Calpe se lee tilingo: "Argentinismo: Insustancial, ligero, que habla muchas tonterías". Segovia, en su Diccionario de Argentinismo", expresa: "Dícese de la persona simple y ligera que suele hablar muchas tonterías".
Los paisanos, de un tipo así, dicen; "Hombre sin fundamento".
Don Hipólito -desde luego, Yrigoyen es el Hipólito por antonomasia- decía "palangana". Supongo a esta expresión tradicional y fundada en la poca cosa y mucho ruido de la enlosada al caer retumbante.
Usted lo conoce al tilingo. Y si no lo conoce, ahí lo tiene al lado, en esta mesa de un café céntrico donde se han sentado cuatro o cinco tipos con portafolios. Algún día habrá que escribir la historia del hombre del portafolio. Hubo la etapa de la posguerra con los "ingenieri" italianos recién llegados que escondían bajo el cuero -con una sugestión de planos y patentes de invención- el sandwich de milanesa del almuerzo. Ahora es posible que el portafolio contenga la cuarenta y cinco persuasiva, o la concluyente tartamuda portátil.
Pero esos que están en la mesa de al lado sólo llevan allí sueños, proyectos, hipotéticas transacciones. Andan a la búsqueda de enganchar algo, intermediar en alguna operación cualquiera para ganar una comisión, y muchas veces intermediando entre intermediarios. Generalmente se ayudan con el teléfono de un amigo que tiene escritorio y al que han pedido permiso para que les "dejen dicho". Ese teléfono, la mesa del café y el portafolio constituyen su establecimiento comercial.
Mientras llega "el asunto*', hablan de fútbol, de carreras, de política, de economía.
Cuando tocan estos dos temas últimos, nunca faltará quien diga: "Lo que pasa es que los obreros no producen". Ahí está el tilingo. No se le ha ocurrido averiguar qué es lo que él produce y qué producen todos ellos, puntas sueltas, mallas erradas en la enorme red de intermediación que es Buenos Aires.
Que un tipo que no produce diga, en una reunión de tipos que no producen, que no producen los únicos que producen algo, es tilinguería. En esto de producir, tenemos muchos productores rurales por el estilo que creen que la condición de productor la da la propiedad de una estancia, unos breeches y unas botas de polo, que viven en la ciudad -"porque mi señora dice que hay que educar a los chicos"- y dan una vuelta por el campo cada quince días. Productores rurales son los que trabajan y producen en el campo, que pueden ser patrones o peones, pero no los que no intervienen en la producción sino como propietarios, y que son rentistas aunque no arrienden. Estos también son de los que dicen que los "obreros" no producen. Y ya no desde la posición marginal del tipo del portafolio, sino empinándose como "fuerza viva" sobre la que descansa la economía del país.
Inevitablemente, éstos y otros representantes de la tilinguería son los que, ante la menor dificultad, califican al país: "Este país . de m...", colocándose fuera del mistao a los efectos de la adjetivación. Y la verdad es que el país lo único que tiene de eso son ellos: los tilingos.
El racismo es otra forma frecuente de la tilinguería.
La tilinguería racista no es de ahora y tiene la tradición histórica de todo el liberalismo. Su padre más conocido es Sarmiento, y ese racismo está contenido implícitamente en el pueril dilema de "civilización y barbarie". Todo lo respetable es del Norte de Europa, y lo intolerable, español o americano, mayormente si mestizo. De allí la imagen del mundo distribuido por la enseñanza y todos los medios de formación de la inteligencia que han manejado la superestructura cultural del país.
Recuerdo que cuando cayó Frondizi, uno de esos tilingos racistas me dijo, en medio de su euforia: -¡Por fin cayó el italiano! Se quedó un poco perplejo cuando yo le contesté: -¡Sí!, lo volteó Poggi.
Muchos estábamos enfrentados a Frondizi; pero es bueno que no nos confundan con estos otros que al margen de la realidad argentina, tan italiana en el presidente como en el general que lo volteó, sólo se guiaban por los esquemas de su tilinguería.
Ernesto Sábato, con buen humor, pero tal vez respirando por la herida, ha dicho en Sobre héroes y tumbas más o menos lo siguiente: "Más vale descender de un chanchero de Bayona llamado Vignau, que de un profesor de filosofía napolitano". La cita me chocó en mi trasfondo tilingo (fui a la misma escuela y leí la misma literatura) porque tengo una abuela bearnesa también Vignau, tal vez más que por lo de Bayona, por lo de chanchero (vuelvo a recordar que fui a la misma escuela, etcétera).
La verdad que ni el presidente ni el general son italianos. Simplemente son argentinos de esta Argentina real que los liberales apuraron cortando las raíces.
Pero la idea liberal o sarmientina no era ésa. Ella tenía, y tiene, una escala de valores raciales que se identifican por los apellidos cuando son extranjeros. Arriba están los nórdicos -con escandinavos, anglosajones y germánicos-; después siguen los franceses; y después los bearneses y los vascos; más abajo los españoles y los italianos, y al último, muy lejos, los turcos y los judíos. Cuando yo era chiquilín nunca oí nombrar a un inglés -que generalmente era irlandés, pero la diferencia era muy sutil para entonces- sin decir "Don", aunque estuviera "mamao hasta las patas". El francés, a veces, ligaba el Don; y en ocasiones, el vasco. Jamás el español, que era "gallego de...", lo mismo que el italiano "gringo de...". ¡Para qué hablar del turco y del ruso.'
En La condición del extranjero en América, Sarmiento parece revisar sus tesis sobre la inmigración. Pero no nos engañemos: se sintió defraudado por la misma porque vino del Mediodía de Europa. El hubiera querido una inmigración de arquetipos, y los arquetipos son los que estaban en lo alto de su escalera antiamericana y antiespañola.
Afortunadamente fracasó, y eso es lo que nos ha salvado como nación. En algún lugar he recordado las palabras de Hornero Manzi cuando me dijo: -Lo que nos ha salvado es la actitud del italiano y el turco, que en lugar de proponerse como arquetipos, propusieron como tal al gaucho; así, en el ridículo del cocoliche se nacionalizaron en lugar de desnacionalizarnos. Sólo falta imaginar lo que hubiera ocurrido si las pampas y las aldeas se hubieran poblado de los ejemplares arquetipos deseados por ese racismo, con la actitud de obsecuencia de las generaciones liberales para todo lo foráneo.
Ya se ha dicho que esa tilinguería racista viene de lejos.
Pero se acentúa cuando se producen cambios sociales. Entonces, la tilinguería se exacerba en una peyorativa actitud racista. Pasó con el acceso al poder del radicalismo. Los tilingos de entonces cargaron el acento sobre los apellidos italianos de la nueva promoción política suscitada con el ascenso de la clase media: la pequeña burguesía inmigratoria y los doctores de primera napa nacional.
La oposición conservadora adoptó un aire peyorativo que se tradujo en toda una literatura política, que fue del periódico -La Mañana y La Fronda, sucesivamente, fueron sus expresiones más calificadas- hasta el discurso parlamentario. Se jugaba, por ejemplo, con la equívoca significación de algunos apellidos; así, la triple fórmula Coulom-Coulin-Culacciatti, que integraba, con la igual finalidad peyorativa hacia los criollos desconocidos, don Julio del C. Moreno -un personaje riojano- completaba el ridículo en la imagen anal. Hasta cuando el apellido era patricio se lo modificaba para ponerlo a tono: así, padeciendo Yrigoyen de un posible mal de las vías urinarias, el doctor Meabe, su médico de cabecera, se convertía en el doctor Meabene para adecuarlo a la cita siguiente que era la de un correligionario de la 3a Don Plácido Meo.
En realidad, para los que lo escribían no se trataba de otra cosa que de un recurso humorístico. Pero para el tilingo de entonces el fundamento más real, el que más invocaba, el que más jugaba, era ese de los "gringos", Y lo de "gringos" sólo jugaba para los descendientes de inmigrantes provenientes del Mediodía de Europa. No para los otros.
Pasó mucha agua bajo los puentes, y vino otro movimiento multitudinario: el de 1945. Ya los gringos se habían incorporado y su presencia política no lesionaba a la tilinguería, no sé si es porque de las nuevas promociones ascendentes habían salido también promociones de tilingos. Sólo así puede explicarse que un hijo de italianos -Sammartino- haya hablado despectivamente de los "negros" al referirse al "aluvión zoológico", en una caracterización evidentemente racial y peyorativa, cuando aún estaba fresca la tinta que lo había calificado a él también peyorativamente.
Que "el gringuito" de unos pocos años atrás se sienta vieja clase frente a los descendientes de los conquistadores en la confrontación de sus apellidos no revela simplemente que "el gringuito" se ha incorporado a la tilinguería. Lo grave es que se ha frustrado como guarango. Y la guaranguería es la espontaneidad de las nuevas clases, de las promociones que irrumpen con cada ascenso de la sociedad, porque los dos grandes movimientos populares del siglo -el de 1914-16 y el de 1943-45- han sido la expresión de eso: de ascensos masivos.
No corresponde aquí desentrañar las raíces económico-sociales de los dos hechos históricos; ni siquiera la coincidencia con las dos guerras mundiales que nos aislaron de los países arquetipos en una neutralidad intolerable para los tilingos, pero que dio las bases para una consolidación propia.
Usted puede hacer un fácil test. Yo lo he hecho.
Sé que un fulano se ha gastado 15 millones de pesos en un departamento de la Avenida del Libertador. Nos encontramos y le adivino la intención de informarme de su compra, como corresponde al guarango. Pero yo quiero saber si está frustrado como tal y lo madrugo diciéndole antes de que me dé la noticia:
-Estoy muy afligido por un amigo que se ha gastado más de 10 millones en un departamento de la Avenida del Libertador... -¿Y por qué se aflige? -me pregunta inquieto. Le contesto: -Y... porque la Avenida del Libertador no es "bien"... -Pero entonces..., ¿qué es "bien"? -pregunta desesperado. -"Bien" es de la plaza San Martín hasta la Recoleta, de Santa Fe al Bajo. Y dentro de ese radio. "bien", "muy bien", el codo aristocrático de Arroyo, como dice Mallea: Juncal, Guido, Parera. . .
Le veo en la cara al hombre que está desesperado. Y entonces, lo remato: -La Avenida del Libertador es como tener un leopardo de tapicería sobre el respaldo del asiento trasero del coche.
El leopardo lo tiró a la vuelta. Del departamento no sé.
Pienso que lo hecho es una crueldad, pero la investigación "científica" es así... cruel como la vivisección.
Yo quería saber si el hombre era un burgués con toda la barba o un tímido burguesito en camino de terminar en tilingo. El que es verdaderamente burgués sigue adelante, cumple su gusto, se realiza con la arrogancia del vencedor y compra en la Avenida del Libertador, precisamente porque es caro, porque acredita su victoria y la prestigia ante los burgueses. Si quiere barrio, compra; y si quiere apellido y mujer distinguida, compra también. Podría citar casos. Pero no se achica, se disminuye; no se acomoda a los esquemas y limitaciones de los tilingos.
De aquí que mientras en Europa y en Estados Unidos un banquero o un industrial miran a un ganadero como un "juntabosta", aquí el ganadero lo mira por arriba del hombro al empresario. Y el empresario, que quiere ser "bien", se ve obligado a comprar estancia, a tener cabaña -así sea de perros-, porque sólo por la Rural, y tal vez por el Kennel Club, puede lograr ascenso social que apetece.
Lógicamente esta burguesía, desde que imita a la vieja clase, se somete a todas sus normas y, por consecuencia, también en política. Ese sometimiento y esa adhesión a las viejas clases -incongruente económicamente- no sólo se ejerce verticalmente. También horizontalmente, cuando contemplamos la geografía social del país.
Así, los titulares de los intereses vitivinícolas de Cuyo y los tabacaleros, azucareros y fruticultores del Norte, que necesitan un mercado interno de alto poder de compra -es decir, que el Litoral desarrolle una política de alto nivel de vida-, están ligados políticamente a los conservadores del Litoral, gobernados por cabañeros e invernadores cuya tendencia es producir a bajo costo en un mercado de poco poder adquisitivo para cumplir la función asignada en la división internacional del trabajo como abastecedores ultramarinos de las metrópolis.
Esta incongruencia es difícil de explicar, pero no son ajenos a ella el prestigio social del Litoral y la incapacidad burguesa de los del interior en los respectivos grupos patronales. Esta gente de Cuyo y del Norte es muchas veces portadora de apellidos españoles de abolengo arribeño, de mucho mayor cotización histórica que los abajeños del puerto. Pero queriendo asimilarse a la alta clase del puerto se han sometido a las normas políticas e ideológicas de los principales. De "bien" provincianos, quieren ser "bien" en la Capital. ¿Cómo extrañar entonces que los guarangos frustrados del Litoral se hagan tilingos, si la misma tilinguería la padecen muchos aristocráticos descendientes de la Conquista por el Perú?
La tilinguería cotiza una marca de vino, un tabaco, un pomelo, o una palta, muy por debajo de un toro lleno de medallas. Se entra muy bien en la alta sociedad llevando de la rienda al toro, pero es difícil mostrando una botella de vino por lujosa que sea la etiqueta, por más sugestiones de chateau que evoque, tanto en la presentación como en la exquisita calidad del producto.
A un cuarto de siglo de la entrada del país al capitalismo, debemos recordar que el capitalismo naciente en la Argentina fue ajeno en sus hombres al hecho histórico que lo provocaba, produciéndose la paradoja de que le correspondiese a la clase obrera abrir la etapa del desarrollo económico burgués. Más aún: la nueva burguesía sigue aún incapacitada para jugar su papel, y es precisamente porque en la medida que asciende, pierde conciencia de su propia realidad para hacer suya la imagen de importancia que le presenta el tilingo. Se queda en el "medio pelo" y, rechazando el triunfo burgués, se adecúa al remedo, a la imitación de la alta clase con la que cree tomar contacto cuando se acomoda a la imagen de alta sociedad que le brindan los declasados.
Hubo un tiempo en que los venidos a menos económica y socialmente se jactaban de ser un pequeño sector domiciliado en el "Palacio de los Patos" de la calle Ugarteche. Ahora se han multiplicado. desde detrás de la Recoleta hasta San Fernando, a lo largo de las vías del Central Argentino. (Lo designo así porque la nueva nominación ferroviaria es completamente tilinga, aunque la hayan hecho los guarangos, lo que prueba que, en esta materia, todos tenemos tejado de vidrio.)
Landrú ha identificado perfectamente los personajes describiendo en el "gordi" y el "mersa" la oposición tilinguería-guaranguería. El botellero próspero, con su Valiant resplandeciente, es feliz echándole soda al vino de marca, ocupando las mesas de los restaurantes caros, hablando fuerte de lo que dijo-"su señora", mientras "cena".
Está en el camino de constituir una burguesía. Todavía no tiene conciencia de que constituye un sector de la sociedad correspondiente a una etapa de la economía, y no ha alcanzado a comprender la correspondencia de sus intereses personales con los intereses de su grupo. Hijo de sus aptitudes capitalistas -aunque muchas veces también más de la inflación que de su capacidad, o de equívocas actividades comerciales-, está en el camino de constituir una burguesía. Pero en el momento de definirse como burgués y adquirir la psicología correspondiente, nota el contraste de sus gustos y normas con lo que es "bien".
Desde que se ha mudado al barrio Norte, desde Gerli o Quilmes, y la "señora" ha olvidado la batea deslumbrada por la máquina de lavar, ha hecho nuevos contactos que le dan la idea de una meta social que tiene que alcanzar. Comienza él también a añorar la época en que "el servicio daba gusto" y en que el obrero -el "negro"- se mantenía "donde debe estar". Olvida de inmediato que es precisamente ese cambio el padre de su prosperidad y de su posibilidad de acceso a niveles más altos. Más aún. que el mantenimiento de ese cambio y su profundización es su única garantía. Quiere dejar de ser "mersa" y sólo logra ser "gordi". E inmediatamente tiene el complejo político del "gordi", a quien comienza a imitar.
Y comienza a imitar a una imitación, tomando por modelo las malas copias. Porque la tilinguería constituida por las "gordis" no es ni remotamente la alta clase a la que cree aproximarse.
Desde la época en que los declasados se refugiaban en la calle Ugarteche, todo el "Norte" liminar se ha llenado de falsos declasados. Se ha constituido un sector social entero que vive en la convención de que "todo tiempo pasado fue mejor" en aquella "Jauja" retrospectiva -"cuando la tía Leonor tenía Lando"-; de miles de familias que se aterran al recuerdo de un ascendiente que figuró algo en la segunda y la tercera línea de los amanuenses de la oligarquía, Descendientes de militares -un oficio generalmente despreciado por la alta clase-, de secretarios de juzgados, directores de oficinas, bancarios pueblerinos y hasta de conscriptos de Curu-malal, se han construido imaginativamente un pasado señoril que tratan de revivir en una vida forzada que absorbe casi todos sus recursos en gastos de representación.
Revista Confirmado
submitted by ArgenCoso to RepublicaArgentina [link] [comments]


2020.09.26 22:19 RyanGostosaum Eu acabei com uma história de amor, e infelizmente foi a minha.

Olá amigos no Reddit, vou contar uma história:
Em 2017, eu ainda estava no ensino médio, era um completo bobo, do tipo de adolescente que é bem comum: Desempregado, mal educado, sem visão pra seguir.
Então eu conheci uma garota que aumentou o brilho no display da minha vida: vou chamar ela de Mariana.
Mariana tinha o poder de fazer qualquer conversa ficar incrível, de me escutar, e de me fazer feliz de qualquer forma.
Eu era todo tímido, então demorou até ficarmos pela primeira vez... E acabou sendo só uma. Uma semana depois descobri que ela iria pra Curitiba, no Paraná e só tinha deixado pra me contar dias antes. Ela me propôs que a gente continuasse se falando, eu, o bicho mais mula da minha geração disse que não.
Não era pq eu não gostava dela, mas sim pq eu achava que em algum lugar não fazia sentido prender alguém que se gosta a si, quando ela podia ter outras experiências. Ficamos os dois magoados, cortamos o contato. Eu namorei por dois anos nesse período, e ela também namorou com algumas pessoas.
Tudo corria bem, até que em um momento nós ficamos a sós novamente (leia-se, eu tomei uma bicuda no bumbum e ela procurou outra opção) e eu entrei em contato pensando que podia arrumar as coisas.
Conversa vai, conversa vem...
Mas mano, cê não tá ligado, o tempo com ela era diferente bicho. Falar com ela, ouvir a voz dela, dava o mesmo brilho no display da minha vida véi...
Até que eu disse que a gente devia se encontrar, e ela perguntou: "o mano, mas qual são as tuas intenções?" e o bicho burro aqui disse que queria ficar com ela, pq gostava muito dela.
Sim meu caro compatriota! Eu me abri pra ela!
O feedback foi o seguinte: "eu não quero ficar com você, nem que você diga coisas no calor do momento. Não quero ficar com um emocionado"
Massa né? Então em algum lugar na minha cabeça, eu decidi que era hora de afastar essa pessoa de mim! Fiz algumas brincadeiras de mal gosto propositalmente: Falei que ela usava silicone em um tom sarcástico e critiquei o jeito emo dela em 2016 em um tom mais sarcástico ainda.
Babaca né? Mas foi a única maneira de lidar com minha decepção amorosa que eu mesmo inventei. Provavelmente ela não vai me mandar mais mensagens, mas eu sinto muito a falta dela. O problema está em eu ser um egoísta, arrogante e mesquinho!
Depois dessa história digna de um depoimento a polícia de Pindamonhangaba, eu faço uma pergunta: Já passaram por isso? Alguém pode me dar um caminho a seguir?
Se você leu até aqui, muito obrigado!
submitted by RyanGostosaum to desabafos [link] [comments]


2020.09.22 04:22 similaraleatorio Uma discussão sobre os personagens da música Construção, de Chico Buarque

Uma discussão sobre os personagens da música Construção, de Chico Buarque

Capa do disco Construção, de 1971
Música (se não conhece, ouça primeiro e só depois leia a postagem): https://www.youtube.com/watch?v=wBfVsucRe1w
Amou daquela vez como se fosse a última Beijou sua mulher como se fosse a última E cada filho seu como se fosse o único E atravessou a rua com seu passo tímido Subiu a construção como se fosse máquina Ergueu no patamar quatro paredes sólidas Tijolo com tijolo num desenho mágico Seus olhos embotados de cimento e lágrima Sentou pra descansar como se fosse sábado Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago Dançou e gargalhou como se ouvisse música E tropeçou no céu como se fosse um bêbado E flutuou no ar como se fosse um pássaro E se acabou no chão feito um pacote flácido Agonizou no meio do passeio público Morreu na contramão atrapalhando o tráfego
No meu entendimento essa parte narra um personagem que amava tudo que tinha na vida, a mulher (já teve outras mas essa, certamente como as anteriores, era amada como se fosse a última), os filhos (os amava tanto que para ele cada um era como se fosse o único filho), o trabalho (subiu apressado como se fosse máquina, ergueu paredes num serviço profissional, eram sólidas e tão boas que pareciam magicamente feitas), era um homem sofrido e quieto (...passo tímido) que dava valor a tudo e às pequenas coisas que tinha na vida (como o arroz e feijão que ele comia como se fosse príncipe), mas que por um descuido, uma fatalidade, sofreu um acidente e enquanto estava caindo estava apavorado, batendo asas como se fosse um pássaro em voo (essa imagem é muito reveladora e forte pra mim, ele não queria morrer e se debateu em desespero no ar) e então veio a óbito.
Amou daquela vez como se fosse o último Beijou sua mulher como se fosse a única E cada filho seu como se fosse o pródigo E atravessou a rua com seu passo bêbado Subiu a construção como se fosse sólido Ergueu no patamar quatro paredes mágicas Tijolo com tijolo num desenho lógico Seus olhos embotados de cimento e tráfego Sentou pra descansar como se fosse um príncipe Comeu feijão com arroz como se fosse o máximo Bebeu e soluçou como se fosse máquina Dançou e gargalhou como se fosse o próximo E tropeçou no céu como se ouvisse música E flutuou no ar como se fosse sábado E se acabou no chão feito um pacote tímido Agonizou no meio do passeio náufrago Morreu na contramão atrapalhando o público
Aqui o personagem já vivia a vida mais desencanado, embora ainda gostasse do prazer dos lençóis com a esposa ele não era fiel (...sua mulher como se fosse a única), percebia cada filho como se fosse o pródigo (dispendiosos, via cada filho como despesa, não gostava tanto assim deles), era um sujeito desleixado (...passo bêbado) que chegou pra trabalhar bêbado mas subiu a construção como se fosse sólido (quem já tomou pileque e teve que parecer sóbrio sabe bem o que é isso), ao contrário do primeiro personagem que fazia um trabalho com capricho (paredes sólidas num desenho mágico) esse aqui fazia um trabalho que dava pro gasto, nada de mais (paredes mágicas num desenho lógico, mágicas pq pra erguer uma parede boa estando bêbado é preciso fazer mágica e o que dá pra fazer é um desenho básico e lógico de empilhar tijolos). Sentou pra descansar como se fosse um príncipe (pra tentar amenizar os efeitos da ressaca), mas comeu apressado como se fosse máquina (pq o tempo é curto para poder voltar ao trabalho) e a exemplo do primeiro personagem por uma fatalidade, um descuido, acabou caindo da construção (dessa vez meio que aceitando o que estava acontecendo, foi caindo como se fosse sábado -um dia monótono e sem graça) e veio a óbito.
Amou daquela vez como se fosse máquina Beijou sua mulher como se fosse lógico Ergueu no patamar quatro paredes flácidas Sentou pra descansar como se fosse um pássaro E flutuou no ar como se fosse um príncipe E se acabou no chão feito um pacote bêbado Morreu na contramão atrapalhando o sábado
Aqui claramente me vem à mente a ideia do suicídio. Amou como se fosse máquina, sem tesão algum e beijou a mulher pq era a mulher dele, era o lógico a se fazer. Sem prazer nem gana em nada fez um trabalho porco (paredes flácidas) pq já sabia que era a última vez tanto que sentou rapidamente como se fosse um pássaro e aqui pra mim a revelação do suicídio: E flutuou no ar como se fosse um príncipe. A queda foi libertadora.
Eu fico embasbacado como essa música é bem escrita, bem arranjada, é uma música completa. Talvez a maior música brasileira que eu já ouvi em toda minha vida. E pra você, o que você entende dessa música?
submitted by similaraleatorio to brasil [link] [comments]


2020.09.15 00:27 SnooAvocados8816 Server

╭─━─━─────────━#ᴺᴳᴬ✧˚ ╰───⇝°。• ≈ ℕᴀʀᴜᴛᴏ 🍥 𝔾ᴏʟᴅᴇɴ 𝔸ɢᴇ ™️
˚Tu que eres fan de la obra de Naruto y Minecraft, ¿Que tal? Te invitamos a unirte a nuestro servidor de RPG (Roleplay Game) tematizado en esta obra, ¡venga, no seas tímido!・ ﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏
・☁️・ . ˚꒰ ¿Que ofrecemos? 𖧧 ▾...꒱
ˎˊ·͙ 🏙️ ⌇ Grandes mapas icónicos del Anime, cada uno con misiones únicas (Y una historia para cada una de ellas).
ˎˊ·͙ 🧬 ⌇ Variedad de Clanes: Uzumaki, Uchiha, Hyuga, Hozuki, Kaguya, Chinoike... Esos son apenas algunos pocos de la gran variedad de clanes que podrás ver en NGA, tanto canonicos como no canonicos, pero inspirados en personajes oficiales del mangá, y claro, todos con habilidades ÚNICAS.
ˎˊ·͙ 🤝 ⌇ Comunidad amigable y 100% receptiva.
ˎˊ·͙ 👤 ⌇ Staffs y Sub-Staffs presentes para atenderte cuando necesites . ˎˊ·͙ 🎆 ⌇ Muchos eventos, como guerras, exámenes Chunin, lluvia de bosses y etc.
ˎˊ·͙ 👺 ⌇ Bosses que spawnearan alrededor del mapa, y que al ser derrotados te darán una recompensa.
ˎˊ·͙ 🔥 ⌇ Diversidad de jutsus elementales para obtener y armar tu propio arsenal a gusto.
ˎˊ·͙ 🤺 ⌇ Al iniciar tu aventura podrás elegir un estilo de combate, Ninjutsu o Taijutsu, ambos igual de poderosos, pero con mecánicas diferenciables.
. . . ¡Y mucho más! Si deseas informarte más puedes unirte a nuestro Discord oficial y preguntar cualquier duda sobre el servidor en el canal de dudas, y un staff, sub-staff o un usuario informado te responderá lo antes posible. ✦ . * ˚ ✦
╭─┄ ┄ ┄ ──┄ ┄ ┄ ╰ ┄ ┄ ─ ¡¿Que esperas? Unetenos ya! . ❞ ☁️ ➴· °
. . . . . . . . . .
 . . .ᖘ links ᖗ. . . 
₊°꒰͢🗒️・ ៹ 𝕀ɴᴠɪᴛᴇ: https://discord.gg/XwTTZzw
₊°꒰͢📰・ ៹ ℙᴜʙʟɪᴄɪꜱᴛᴀ: I'm Cursed, F*ck 👹#2288
₊°꒰͢#️⃣・ ៹ 𝕀ℙ: newgoldenage.xyz
₊°꒰͢🪵・ ៹ 𝕄ᴏᴅᴀʟɪᴅᴀᴅ: RPG Roleplay - Temático
₊°꒰͢⚜️・ ៹ 𝕍ᴇʀꜱɪᴏɴ: 1.12.2
submitted by SnooAvocados8816 to MinecraftServer [link] [comments]


2020.09.14 13:44 JustCallMeLyraM8 GT DA BROTHERAGEM

GT DA BROTHERAGEM
/cc/
>eu tenho um amigo bem próximo
>amigo não
>ele é tipo um irmão
>amo aquele filho da puta
>vamos chamar ele de Maicão
>nos conhecemos no jardim da infância
>dividíamos o todynho e o biscoito passatempo no recreio
>bolachaéocaraio.mp3
>estudamos na mesma turma até a quinta série quando os pais dele se mudaram pra longe da escola
>ele continuava morando na mesma cidade, mas tava numa escola diferente
>ainda assim nos víamos todos os fins de semana
>nossas famílias se tornaram amigas também
>tudo era um mar de rosas até o final de 2004
>ano 2005
>entra uma aluna nova na minha turma
>o nome dela era Thais
>lembro como se fosse ontem do momento em que ela entrou na sala
>tudo parecia ter ficado em câmera lenta
>o sol batia nela
>o ventilador soprou seus cabelos
>ela marchava como uma égua manga larga do trote formoso
>paudureci naquele exato momento
>o foda é que eu tava em pé naquela hora e a primeira aula era de educação física
>short.gif
>todo mundo da sala começa a rir de mim e a gritar
>me chamaram de pau retrátil porque foi só a menina aparecer que ele subiu
>morri de vergonha naquela hora
>sentei na cadeira e pus a mochila no meu colo
>eu só queria sumir
>até a professora riu
>mas a Thais não
>ela sentou atrás de mim e disse pra eu não ligar pra eles e que eu ficava lindo com vergonha
>caraio vei não pude acreditar
>eu era tão tímido que pedi pra ir no banheiro na mesma hora e fiquei trancado lá até a hora do recreio
>quando o recreio chegou eu pus o dedo na goela na frente da sala dos professores
>acho que vomitei até meu intestino naquela hora
>comecei a dizer que tava passando mal
>os professores me liberaram da escola e fui pra casa mais cedo
>chego em casa e passo a tarde toda tendo fantasias masturbatórias com a Thais
>eu era tão beta quanto aqueles peixes de briga
>quando a noite chega eu corro pra casa do Maicão
>conto tudo pra ele feliz da vida
>Maicão fica feliz por mim
>brodagem.rar
>segue o jogo
>durante o resto do ano eu iria me aproximar cada vez mais da Thais e me afastar cada vez do Maicão
>ele dizia que ela tava me afastando dele mas eu discordava
>dizia que era coisa da cabeça dele
>o tempo passa
>a Thais é promovida à pitanguinha e a distância entre mim e meu brother ia aumentando cada vez mais
>um dia briguei feio com o Maicão quando ele disse que ela tava cmg só por conta do meu dinheiro
>eu não era rico, mas da escola eu era o mais bem de vida
>meu pai era o único que não tava preso e não trabalhava com drogas
>minha mãe não trabalhava na zona
>zoas ela trabalhava sim
>ela agenciava a tua mãe, aquela puta boqueteira
>zoas de novo, minha mãe era artista plástica
>um dia eu acabo falando pra Thais que o Maicão tava se sentindo escanteado
>ela começa a me dizer que era inveja do nosso relacionamento e que ele só queria nos separar
>acabo dando ouvidos a ela e brigando feio com ele
>putaquepariuqueburrice
>nunca devia ter dado ouvidos à ela
>foco no gt
>paro de falar com o Maicão e cada vez mais me entrego pra a Thais
>toda semana era cinema
>lanche na Mc Donald’s
>roupa na Marisa
>minha mesada começou a ser exclusivamente dela
>um belo dia recebo uma mensagem do Maicão dizendo que a Thais tava me traindo
>respondi mandando ele tomar no cu
>ja faziam uns 5 meses que eu não falava com ele e do nothing ele vinha com um papo desses
>ele disse que eu devia ficar atento aos sinais
>não dou a foda pro que ele diz e continuo o namoro
>na semana seguinte vejo ela com uma marca roxa no pescoço
>ela diz que tinha caído da escada
>eu disse que acreditei mas fiquei desconfiado
>nada me tirava da cabeça oq o Maicão tinha me dito
>procuro ele e conto oq aconteceu
>diferente de mim ele não era um filho da puta
>Maicão me ove e depois me conta tudo que sabia
>a Thais tinha vindo da escola em que ele estudava
>ela era conhecida como viúva negra na escola
>ela se prendia à um macho e sugava tudo dele até ele não ter mais nada
>sim, ela tmb sugava o pau
>não, ela não tinha sugado o meu ainda
>Maicão continua a história dizendo que tinha visto ela saindo da casa de um carinha que morava no mesmo bairro dele
>até aí não vi nada demais
>mas ele me disse que ela tinha dado um beijo na boca do cara na saída e quando virou de costas o cara deu um tapa na bunda dela
>ÉOQ?!
>aquela vadia não tinha nem sequer me deixado pegar na bunda dela ainda
>dizia que era só depois do casamento
>eu era beta betoso full +15
>ela me levava pra igreja todo domingo
>acreditava nela sem questionar
>caio no choro e o Maicão me consolou
>disse que eu não tava sendo um bom amigo mas que ele nunca deixou de me ter como irmão
>bolamos desmascarar ela juntos
>ela ia pra casa dele toda sexta de noite
>realizo que era a hora que a mãe dela saía de casa pra ir pro culto de oração da igreja
>caraio_como_sou_burro.jpeg
>chifre.rar
>no dia seguinte falo com a Thais como se nada tivesse acontecido
>ela diz que me ama
>digo que amo ela tmb
>caraio, eu queria matar ela ali naquela hora
>mas amava aquela desgraçada
>feelsbad.png
>sexta feira
>19h
>tava com o Maicão escondido na rua da casa dela
>avistamos a mãe dela saindo de casa
>corremos pra mãe e contamos a história
>mãe não acredita, mas topa ir com agnt até a casa do talarico
>19:30h
>Thais sai de casa com um short enfiado no cu
>pqp pra quê enfiar tanto ssaporra?
>tava tão fundo que ela devia ta sentindo do gosto dele
>seguimos ela de longe
>a vadia entra na casa do moleque
>nessa hora a mãe dela já queria matar ela, mas eu fiz ela esperar
>entrei dando um chutão na porta da frente
>queria pegar ela com a boca na botija
>e consegui
>infelizmente a botija em questão era a rola do cara
>ela tava engolindo o pau daquele moleque com uma facilidade absurda
>nem sua mãe consegue engolir minha piroca tão fácil
>foco no gt
>Thais leva um susto tão grande na hora que morde o pau do cara
>num ato reflexo por conta da dor o cara da um murro na cara de Thais
>ela cai no chão
>a mãe dela comeca a bater nela com uma havaianas e depois começa a arrastar ela pelos cabelos pra fora de casa
>a Thais é arrastada pela rua até chegar em casa
>racho o bico com a cena como mil hienas comemorando a morte do Mufasa
>peço perdão pro Maicão pela cagada que fiz
>Maicão diz que fui um idiota, mas que era o irmão dele e que nada iria nos separar
>dois dias depois Thais chega na escola toda roxa
>tinha apanhado tanto que o conselho tutelar tirou a guarda dela da mãe
>ela chega perto e diz que quer falar CMG
>ignoro
>ela me puxa pelo braço, olha no meu olho e diz:
>como vc descobriu?
>digo que o Maicão me contou tudo
>ela diz que vai pra um orfanato hoje. Só foi na escola buscar sua transferência.
>Kkkkkjkkjjjk
>ela diz que eu posso rir agora, mas quem ri por último ri melhor. Disse também que nunca iria esquecer aquilo e que o Maicão iria pagar por ser x9
>puxo meu braço, dou as costas e vou embora
>ano 2016
>terminei a escola e faço faculdade
>Maicão faz o mesmo curso que eu e estudamos na mesma turma novamente
>full brothers +15
>desde o episódio com a Thais nunca mais tínhamos brigado
>trabalhávamos, tínhamos nossa independência
>tudo ia bem até recebermos o convite para uma festa que rolaria naquela noite
>eu e o Maicão dividiamos o apartamento agora
>o convite veio por baixo da porta dentro de um envelope
>open_bar.jpeg
>o envelope vinha com 2 pulseiras
>as pulseiras davam acesso à área vip da festa onde rolaria os alcoolismo
>ficamos relutante por um momento até abrirmos a carta
>a carta tava endereçada à mim e ao Maicão
>era uma letra de mulher
>não tinha muita informação só dizia que não deviamos perder a festa por nada e que lá tudo seria explicado
>não tinhamos nada à fazer então topamos
>22h
>party.time.jpeg
>logo de cara fomos recebidos por duas loiras peitudas que estavam de camisa branca
>ambas estavam dançando na entrada da festa enquanto se molhavam com uma mangueira
>séélococuzão.rar
>a festa tinha uma proporção de 4 depósitos para cada homem
>a cada dois homens, um era gay
>era tipo o plenário da câmara dos deputados só que ao contrário
>quando entramos no salão principal todo mundo virou pra a gente
>tipo aquela cena do universidade monstro
>as depósitos cochichavam entre elas
>pensamos que tinha algo errado conosco mas a vdd é que éramos os caras mais lindos dali
>na vdd nem éramos isso tudo, mas tínhamos rola e éramos heterossexuais
>feelsalpha.png
>fomos andando até a área vip
>a decoração da festa era cheia de fotos de uma depósito
>era uma ruiva 10/10
>a festa devia ser dela
>tive a impressão que ja tinha visto ela em algum lugar
>áreavip.gif
>a área vip era lotada de bebidas
>não tinha uma depósito abaixo de 8/10
>no buffet tinha camarão e lagosta
>mano do céu era a festa mais foda que eu ja tinha ido
>quando olho pro lado ta o Maicão atracado com uma mina
>dois minutos depois a mina larga ele e agarra outra mina
>ÉOQ?!
>aquilo tava parecendo um bacanal grego
>uma coisa no entanto me incomodava
>quem teria nos convidado?
>avisto a anfitriã da festa, aquela ruiva 10/10
>ela se aproxima de mim lentamente
>mano do céu, paudureci na hora
>só conseguia imaginar eu enfiando o pau tão fundo nela que quando eu terminasse ia ta na camada do pré-sal
>a calça aperta e ela percebe que estou preparado para o abate
>fico sem graça e tento disfarçar
>ela vem por trás de mim, ri e diz que eu fico lindo com vergonha
>gelei na hora
>caraio, era a Thais - pensei
>pergunto se ela era a Thais
>ela ri e me chama de idiota.
>diz que seu nome é Raquel
>caraio, ela nao tinha nada a ver com a Thais
>errei feio, errei rude
>pensei que tivesse estragado minha chance
>raciocinando com a destreza de um crackudo na fissura e digo:
>é porque thaislinda com essa roupa
>ela ri, eu rio, segue o jogo
>nessas horas eu nem sabia mais que existia um Maicão
>só pensava em mergulhar naquelas tetas magníficas
>na boa, se ela fosse minha mãe eu mamaria até hj
>quando olho pro lado o Maicão tava agarrado com duas ao mesmo tempo
>bodyshot.gif
>caraio o Maicão tava levando uma surra de peito na cara enquanto bebia e eu no 0x0
>me aproximo da ruiva já na maldade
>ela chega do meu lado
>põe a mão no meu ombro e fala na minha orelha direita:
>quem é esse teu amigo?
>poooooooooooorra.mp3
>o moleque ja tinha catado duas e agora ia catar a ruiva
>tive vontade de mandar ela se fuder, mas ele era meu brother, não podia prejudicar ele
>nenhuma depósito ficaria entre nós
>não deu nem 10 minutos do momento que disse o nome dele pra ela e ela ja tava agarrada nele
>a ruiva chupava a língua dele como se fosse o último picolé do verão
>avisto uma depósito 9/10 dançando sozinha
>penso em me aproximar, mas antes que eu chegue a ruiva puxa ela e põe na roda com o Maicão
>ja não entendia mais nada
>eu sempre pegava as depósitos +/10 do que ele e agora ele tava numa orgia de bocas e eu sem nada
>começo a beber
>realizo que ta na hora de baixar as expectativas
>avisto uma ananzinha 5/5 escorada no balcão
>me aproximo dela e pergunto se o pai dela era padeiro
>ela pergunta se era pq ela era um sonho
>eu digo que era pq eu queria comer a rosca dela
>sério que anã rabuda do carai
>a anã me dá um tapão e sai de perto
>vsf que festa merda do carai
>comecei a beber descontroladamente pra compensar a frustração
>dou em cima da garçonete
>a garçonete era uma trans
>ela me esnoba e vai embora
>vômito.rar
>caraio nem a mulher com rola me quis
>decido que hoje não é meu dia e que ta na hora de voltar pra casa
>procuro o Maicão pra ir embora cmg
>vejo ele entrando no carro com duas 1,5 depósitos
>pensei que ele tivesse indo pra um motel ou algo do tipo
>ele tava de mãos dadas com a ruiva e com a anã 5/5
>a ruiva olha pra mim, da uma risada e depois um xauzinho
>caraio que raiva daquela ruiva
>me esnobou e agora vai dar pro meu brother
>faço sinal pro Maicão que vou embora
>ele grita “Oklahoma”
>era nosso sinal secreto
>significava que ele ia realizar o ato de socação intra uterina e que eu não deveria incomoda-lo
>entendo o recado, dou meia volta e volto pra casa
>chegando em casa
>tudo girava por conta do álcool
>brinco um pouco com o o Visconde de Sabugosa até ele cuspir
>durmo
>no dia seguinte acordo com dor de cabeça, deitado no sofá
>percebo que tinham 537272717 chamadas não atendidas no meu celular
>todas do Maicão
>imagino todas as desgraças do mundo
>comeco a ligar de volta mas ele nao atende
>recebo uma ligação de um número desconhecido no meu celular
>é uma mulher
>ela ria descontroladamente
>disse que estava na festa o tempo todo me observando
>pergunta se a noite foi boa e se eu peguei alguém
>mando ela tomar no cu e digo que peguei a mãe dela
>ela racha o bico e diz que é impossível pq a mãe dela foi a primeira a pagar oq devia
>gelei na hora
>reconheci a voz
>era a Thais
>ela começa a contar seu plano do mal
>diz que foi parar num orfanato depois daquele episódio
>que apanhou muito da família onde foi parar mas a família era podre de rica
>a família produzia festas tipo o tomorrowland
>viajaram pra fora do país e levaram ela junto
>disse que por muito tempo quis se vingar mas a família não dava a foda
>dois meses atrás a família tinha morrido num acidente de carro e ela ficou como única herdeira
>ela pôs como meta de vida concluir a vingança que passou anos arquitetando
>disse que a festa foi planejada por ela
>que todas as depósitos da área vip foram contratadas por ela baseadas no meu tipo de mulher
>pergunta como me senti não pegando ngm e vendo o meu “amiguinho” catando todas
>respondo que a vingança dela era uma merda e que tava feliz pelo meu brother
>ela racha o bico e diz que a vingança dela não era me deixar sem pegar ngm
>ela queria se vingar dele por ele ter dedurado ela
>pergunto qual vingança há em encher a rola dele de depósito
>você verá - ela me disse
>desligo o espertofone e percebo que chegou uma mensagem do Maicão no oqueapp
>faz uma semana que o Maicão toma mais coquetel que o Amaury Jr.
pica relatada da mensagem
https://preview.redd.it/9o5g9y8ep3n51.jpg?width=1080&format=pjpg&auto=webp&s=3dbefd7c59d10e7b40b9168ddac79176762f8591
submitted by JustCallMeLyraM8 to gtsdezbarradez [link] [comments]


2020.09.04 04:07 Kl111w Não tenho vontade de "pegar" ninguém (🛑ALERTA DE TEXTO GRANDE🛑)

Pois é, 16 anos; e que bela bosta de 16 anos. Eu queria fazer mais uma espécie de desabafo, mas isso vou fazer em outro sub-reddit, aqui vou dar mais um resumão. Tenho problemas, na justiça com meus familiares e comigo mesmo; minha auto estima é muuuuuito baixa, e sou extremamente tímido (porém quando estou com amigos perto, eu estranhamente passo a ser extrovertido). Bom, nunca beijei ou transei, ou fiz qualquer coisa "jovem" se é que eu posso falar assim; sabe aquele cara, isolado, que fica no fundo da sala que quando você olha pra ele percebe que ele está em uma linha tênue entre prestar atenção na aula e completo desinteresse? EU sou esse cara. Bom, tenho amigos de 14 anos que já beijaram, transaram e etc..., eu sei o que você está pensando (não eles não colocam pressão em mim para eu fazer essas coisas), por incrível que pareça quem põe é minha IRMÃ; ela tem 13 anos e é a pessoa mais extrovertida que eu conheço, ela passa praticamente o dia inteiro fora de casa com amigos e etc...(moro em Portugal, é normal isso por aqui, tem uma espécie de praça gigante atrás do meu prédio), e ela já pegou não sei quantas pessoas, pra vocês terem uma ideia ela tem um fucking VÍDEO no celular dela, dela aos beijos com uma garota (minha mãe é lésbica, por isso esse tipo de coisa e conversa nunca foi tabu aqui em casa), e a mais ou menos uns 3 dias atrás ela me perguntou se eu já tinha beijado, transando e essas coisas, eu falei que não e ela começou a me zoar dizendo que eu não sei aproveitar a vida e tals; foi a mesma coisa em um aniversário passado que teve em que me foi oferecido bebida alcoólica e eu recusei, e minha irmã começou a falar pra eu passar a viver e aproveitar as coisas e etc, etc, etc...). Mas sendo sincero nessa coisa de se "pegar" e transar e tals; eu simplesmente não me vejo nesse mundo, eu vejo realmente como algo impossível pra mim, algo que eu nunca vou conseguir agarrar com as duas mãos e dizer "eu faço parte disso" (não foi uma analogia muito boa, eu sei); mas sei lá eu vejo pessoas namorando e se pegando e... sendo sincero? Parece tudo tão fútil, tudo tão superficial sem nada realmente profundo, eu não consigo explicar. Eu devo dizer que nunca genuínamente me apaixonei por alguém, nunca olhei pra uma pessoa e disse algo do tipo: "Nossa, eu quero muito pegar essa daí", não entra na minha cabeça; a única palavra que eu encontro pra definir o do porque eu não querer algo do tipo é que parece superficial, eu não sei explicar direito, desculpe. Mas eu sempre tenho mais meus olhos pra mulheres, já me perguntei se sou gay, assexual ou algo do tipo, mas eu sinto lá no fundo que não. Não sei também se é preguiça de tentar pegar alguém, ou só insegurança. Olha, acho que me empolguei um pouquinho escrevendo isso daqui, desabafar no anonimato para pessoas desconhecidas e muito emocionante kkkkk. Bom, de qualquer forma duvido que alguém tenha lido até aqui, se sim, desculpa pelo texto enorme...
submitted by Kl111w to sexualidade [link] [comments]


2020.09.02 09:57 EpicLewd Virgen a los 30 años - Descargo y consultas

Buenas. Vengo a contarles un poco de mi, y ver si me pueden sacar algunas dudas y darme una mano.
Tengo 30 años y soy virgen. En realidad estuve con una mina una vez pero no acabé. Única vez, único beso. Nunca tuve novia, nunca me levanté a una mina en un boliche, nunca nada. Les cuento un poco de mi para que no empiecen a preguntar si me falta la mitad de la cara ni nada por el estilo.
Mido 1.85. Cuando era chico era bastante flaco pero ahora soy grandote. Peso 100kg (a dieta, bajando, la cuarentena se puso peligrosa). Imaginense medio vikingo. Estoy recibido, laburo, doy clase en la facultad, estudié música (aparte), soy gamer, me gusta cocinar, ver series, películas, salir con amigos. Cosas que NO me gustan: los boliches, y la música de los boliches. Toda la onda boliche digamos. Siempre respeté mucho a las mujeres (tal vez demasiado?). Nunca se me ocurriría "robarle un beso" a una mujer, o hacer comentarios desubicados. Con esto quiero decir que no soy de hacer avances a menos que haya onda y la situación lo amerite. Así se pueden dar una idea de mi perfil.
Cómo llegué hasta acá sin que nunca haya pasado? Y la verdad es que no creo haberme dedicado lo suficiente. Un poco el post y las consultas vienen por ahí. Siempre tuve mis intereses, siempre estoy haciendo algo, estuve estudiando casi toda mi vida. Cuando era chico intentaba, realmente no se cuantas veces, probablemente no muchas. Las veces que intenté no me dieron bola, pero la mayoría tanteaba y cuando veía que no había ningún interés ni intentaba. Y era tímido y me ponía nervioso, entonces para cuando recibía mi respuesta ya estaba frustrado, me ponía mal y me distraía con mis cosas. Entonces volvía a intentar cada tanto, cuando me surgía interés, cuando se me pasaba la frustración. Cabe aclarar que con mis círculos de amigos no íbamos a boliches, entonces no se daba esa situación de encontrarse gente descartable una o dos veces por semana. Las mujeres que conocía eran de la facultad, de juntadas en nuestras casas, amigas de amigos/as. Mucha gente, pero no esa situación de gente mamada buscando lo mismo en el mismo lugar.
Cuestión es que a lo largo de mi adolescencia me pasó un par de veces de engancharme con minas que no me daban bola, con la idea de que tal vez después me dieran bola. Así uno se inventa escenarios y después cuando no se dan se frustra más y se enoja (obviamente la mujer no tiene la culpa). Eso pasó un par de veces. Después salí con una chica hermosa, la pasamos bárbaro. Cuando la volví a invitar no pudo, y después de que la invité un par de veces más no me contestó más. Años después me di cuenta que esta fue la última vez que realmente sentí algo por una mina.
Después de todas esas experiencias, por un lado me quedó un gusto bastante amargo, así que me metí en mis cosas y me distraje por un tiempo, y además me desensibilicé de todo un poco. Si me gustaba una mina generalmente no hacía nada y me olvidaba, o si le hablaba, trataba de no dar muchas vueltas, decirle de hacer algo, que me digan que no, y seguir con mi vida, ya con frustraciones mucho menores dado que le daba mucha menos importancia. Aún así las veces que me interesé y invité a alguna chica a tomar algo fueron pocas. Una vez fue esa única vez, donde también me di cuenta que si no tengo interés por esa persona, calentarme por calentarme no me alcanza. Quiero una persona con quien haya onda, y acá claramente no había.
Hoy en día me pasa de hablar con chicas por Facebook, Instagram o incluso Tinder, y las conversaciones no van a ningún lado. Entonces empecé a no dar muchas vueltas y tratar de arreglar para vernos y siempre me contestan como si estuviera loco, si es que me contestan.
Paso entonces a las preguntas a ver si me pueden orientar y dar una mano:
Cualquier otra cosa que quieran aportar es bienvenida. Los leo!
submitted by EpicLewd to argentina [link] [comments]


2020.08.29 16:39 _TerribleLizard_ Mais um fim de semana sozinho

Isso literalmente me cansa! Chega sexta-feira eu já começo a ficar meio pra baixo, sabe? Tô solteiro e sem amigos, sem fazer parte de círculo social algum!
As únicas pessoas que eu consigo conversar são minha psicóloga (ela é linda, por dentro e por fora), meus tios e meu primo! Aliás, meu primo é o único amigo que me sobrou, mas aos fins de semana ele vai pra casa da namorada. Aí fico a ver navios, pois não vou me meter e estragar o momento dos dois. Fico à deriva, sem um grupo, sem uma mulher ao meu lado.
E falando em mulher, eu uso tinder e até que descolo vários matches e até o número de telefone de várias mulheres, mas depois não consigo criar assunto nem chamar pra sair, não consigo ficar à vontade. E tem algumas que eu até consigo ficar, mas depois eu não sinto nada. Nenhuma delas faz eu me sentir realmente bem como minha ex fazia.
Mudando de assunto, meu padrasto (que até semana passada eu considerada um pai, hoje eu o vejo como um estranho) acha que tudo pelo que eu estou passando é "falta do que fazer", que eu deveria ter um trabalho, que eu deveria "contribuir com a sociedade", pois na minha idade, ele já tinha mulher e filhos pra sustentar (foda-se?). Ele não fala essas coisas pra me conscientizar mas sim porque me odeia. Desde que eu saí do meu emprego, ele me odeia, pois acha que eu quero virar um marginal. Só porque eu tô desempregado ele descarregou em mim todo tipo de insulto! Agora eu não consigo mais confiar nele pra nada! Espero que ele beba aqueles vinhos de merda dele até morrer de cirrose.
Enfim, tem muita coisa ainda! Minha mãe não sabe o que fazer pois tá sempre ocupada cuidando dos meus avós (todos nós ajudamos, na verdade. Até o arrombado do meu padrasto). Logo eu também não converso tanto com ela. Eu sou tomado por uma dor no peito e um cansaço, só de pensar que eu até consigo desabafar com a psicóloga, mas no resto da semana é tudo um vazio! Muitas vezes eu me sentia só até na sala de aula da faculdade! Sabe, eu não sou tão tímido, eu tenho vontade de falar e me conectar com as pessoas, mas parece que tem sempre uma barreira! Eu faço coisas pra me distrair, mas é temporário, já que essa sensação de vazio sempre volta!
submitted by _TerribleLizard_ to desabafos [link] [comments]


2020.08.21 19:55 Pao_Puma2 Amizade

Ola a todos que estão a ver esse post,eu gostaria de desabar(anão me diga, sério?)esse é meu primeiro post pode ser que tenha erros ou incoerencia na história mas espero que gostem.
Ato 1:meus primeiros amigos Des dos meus 10 anos eu nao tinha amigos,era quieto , tímido ,nao sabia conversar com outras pessoas nem com meus pais Mas no meu 5 ano do fundamental um aluno da minha sala veio e me apresentou a os outros alunos,(a minha sala menos eu é claro estavam juntos dês do 3 ano entao todo mundo se conhecia)conversei com eles e comecei a fazer amizades com outras pessoas pela primeira vez,de acordo com meus amigos eu era o que fazia todos rirem.
Quando acabou o ano nos separamos e fomos para escolas diferentes,fiquei triste pois tinhamos passado varios momentos juntos mas também vi o quão idiota e imbecil eu era com eles e eu me arrependo MUITO MUITO mesmo, pode ser coisa da minha cabeça mas eu sinto que era assim mesmo meus amigos ainda conversando de vez em quando comigo e tinha prometido para mim mesmo que seria mais maturo e menos idiota.
Ato 2 :Nova escola(esse ato nao tem muita coisa por causa da covidvirus)
Neste ano escolar estava sozinho mais uma vez,pode parecer exagerado mas a maioria dos alunos da minha escola so falava em [email protected] pra entender, e isso nao era meu tipo de conversa ,mas talvez tenha uma alma viva que eu possa ser amigo mas que eu ainda não conheça,pelo menos ate o momento sou o aluno que puxaria uma AK 47 no meio da aula(mentira eu nunca faria isso)
Eu e meus antigos amigos nao nós falamos muito, nao sei se isso aconteceu só comigo ou com outros da minha antiga turma,a única pessoa com quem eu tenho falado é minha amiga da minha antiga turma mas isso ja é outra longa história,LOnGA mesmo.
Tenho medo de se algum dia minha turma se reencontrar novamente e a gente tenha mudado e ninguém seja mais amigo,mas o tempo passa ne fazer o que.
Ato 3:Final No momento so tenho o reddit e o YouTube para conversar,bom é isso espero que tenham gostado nao espero "dei para cima"(sim eu chamo upvote assim)eu so queria conversar um pouco..
submitted by Pao_Puma2 to desabafos [link] [comments]


2020.08.20 20:41 Only-Rough-3149 Madre Con Derecho quiere que mi novia termine conmigo para que salga con su hijo.

Hola soy nuevo por aquí, he visto videos sobre esto y quiero contar mi historia.
Contexto: Antes de empezar a salir con mi novia ella tenia dos pretendientes, yo y El chico con derechos.
El chico era el típico guapo del salón con la que todas querían andar.
Mi novia era una chica ni muy popular ni muy poco popular por así decirlo.
Yo era el típico chico tímido y callado.
Ella era la "Chica Gamer" y eso me gustaba junto con todo de ella.
El solo quería andar con ella por solo decir lo de "He si tengo novia gamer".
Y todos se daban cuenta de eso y sus amigos le advirtieron y se alejo de el, yo aproveche esto para acercarme a hablar con ella.
Después de 2 meses conquistando lo logre y es mi novia.
En ese momento paso a ser como yo, nada popular pero no tímida.
Elenco:
MD: Madre Con Derecho.
Ch: Chico con derecho.
Mn: Mi novia.
A: Amigos.
D: Directora.
AG: Amigo que grabo.
Yo: Yo.
Historia:
Yo y mi novia decidimos salir a el cine para después ir a mi casa para jugar minecraft.
Estábamos platicando y llega Ch.
Ch: Hola bonita, quieres ver una película?.
MN: Perdón pero vengo a ver una película con mi novio.
Ch: bueeno, sabes eres la mas hermosa que he visto en mi vida, quieres dejar a este y salir conmigo?.
Yo llegue y abrace a mi novia por detrás.
Mn: No, ya tengo novio y quiero ser única, no una de muchas.
Llega md.
Md: Debes salir con mi hijo, el si te conviene, no como este.
Yo: El no conviene la verdad, le ha sido infiel a sus dos ex novias.
MD: Y QUE, MI HIJO TIENE DERECHO A ELLA, EL ES LINDO, NO COMO TU.
MN: No mi novio es mas lindo.
Y me da un beso.
La md le dio una cachetada y el chico me empujo con fuerza.
El ch se abrazo de la pierna y empezó a llorar en su pierna.
Yo llame a seguridad y se los llevaron gritando que el tenia derecho a mi novia.
Al día siguiente nos llamaron a dirección.
Yo y mi novia llegamos y hay estaba Ch y md, pero Ch de la nada tenia moretes.
Ellos nos acusaron de que lo golpeamos y nos suspendieron por que no teníamos pruebas y ellos si, que eran supuestamente los moretes.
Yo llegue a casa y mi amigo me mando un mensaje:
AG: Mira lo que grabe y me mando el video.
El grabo como el estaba rogándole a mi novia.
Cuando termine de ver el video me empezaron a caer mensajes como.
"Wow, como pudiste pegarle?, eres un monstruo".
Yo fui a la policía para hacer una denuncia a el y los policias obtuvieron las cintas de seguridad.
Fuimos y yo aquí tuve mi venganza.
Después de que fue suspendido publique los videos de seguridad y el video que grabo mi amigo donde se veía que el nos pego a nosotros.
Todos se pusieron en su contra y se termino yendo de la escuela por que le hacían mucho bullyng.
Cuando descubrí que el en su otra escuela se estaba haciendo popular publique el video en la pagina de su escuela para quemarlo y para joder.
No se que es de el a dia de hoy.
Gracias por leer.
submitted by Only-Rough-3149 to padresconderecho [link] [comments]